Telecomunicações

Telefónica tenta pacto para comprar ativos da Oi

Imagem da operadora brasileira Oi. (REUTERS/Paulo Whitaker)
Imagem da operadora brasileira Oi. (REUTERS/Paulo Whitaker)

À partida, parece improvável um acordo entre Telefónica, América Móvel e TIM, que competem entre si no mercado de telecomunicações brasileiro.

A Telefónica está à procura de parceiros para comprar ativos da Oi. A operadora de telecomunicações espanhola está a tentar um acordo com as operadoras América Móvel e TIM para ficar com ativos da operadora brasileira, que atravessa dificuldades. A ideia passa por comprar ativos em conjunto e, depois, repartir ativos, escreve esta segunda-feira o jornal espanhol Expansión. A Oi conta, entre os seus acionistas, com a portuguesa Pharol.

À partida, parece improvável um acordo entre Telefónica, América Móvel e TIM, que competem entre si no mercado de telecomunicações brasileiro. A italiana TIM enfrenta várias dificuldades, como a elevada dívida e a disputa acionista entre o fundo ativista norte-americano Elliot e os franceses da Vivendi, os maiores acionistas.

Ainda assim, parece ser mais fácil um acordo a dois, entre a Telefónica e a TIM, que têm mais mercado a conquistar do que a mexicana América Móvil, controlada por multimilionário Carlos Slim.

A Oi, sob recuperação judicial, tem enfrentado várias dificuldades nos últimos meses, tendo mesmo suspendido alguns pagamentos. Com dívida elevada, é previsível a venda do negócio móvel.

Em setembro, a Oi disse desconhecer “por completo”, um eventual interesse da operadora Telefónica Brasil numa eventual compra da operadora brasileira.

De acordo com a Agência Estado, a Telefónica estaria potencialmente interessada nas redes móveis da operadora brasileira, 3G e 4G, e não na rede fixa. O espanhol El Confidencial já tinha noticiado que a Telefónica, que no Brasil controla a concorrente Vivo, estaria a ponderar uma oferta à Oi, no âmbito do seu plano de reestruturação, tendo contactado o Morgan Stanley para mediar operação.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Telefónica tenta pacto para comprar ativos da Oi