mercado automóvel

Tesla reforça primeiro lugar dos elétricos em Portugal

Tesla lidera vendas de elétricos apesar de o carro mais barato, o Model 3, custar 48 900 euros. (REUTERS/Mike Blake)
Tesla lidera vendas de elétricos apesar de o carro mais barato, o Model 3, custar 48 900 euros. (REUTERS/Mike Blake)

A marca de Elon Musk vendeu 293 unidades em setembro. Ligeiros de passageiros cresceram 13,9% no mês passado.

Comprar o Tesla mais barato em Portugal, o Model 3, custa 48 900 euros. Apesar de o preço ser proibitivo para muitas carteiras, a marca norte-americana reforçou em setembro a liderança na venda de veículos sem emissões. No mesmo período, as matrículas de carros ligeiros aumentaram 13,9%, para 14 558 unidades. O mercado automóvel mantém-se, no entanto, em queda em termos acumulados nos primeiros nove meses do ano.

Nos carros elétricos, a Tesla vendeu 293 unidades em setembro, mais do dobro dos números da Nissan, em segundo, com 129 unidades. A marca de Elon Musk já vendeu 1614 carros desde o início do ano em Portugal, mais 202 do que a rival japonesa, que vende o modelo Leaf. Em conjunto, as duas marcas valeram mais de metade dos carros elétricos vendidos em Portugal desde o início deste ano – 5422 matrículas. Mas como se explica que um modelo que custa mais de 10 mil euros do que o rival mais direto lidere entre os automóveis sem emissões?

“Qualquer carro da Tesla, mesmo o Model 3, está anos-luz à frente da concorrência. É um modelo mais caro mas que traz inovações que não encontramos em qualquer outra marca”, diz ao Dinheiro Vivo Henrique Sánchez, líder da UVE, a associação dos utilizadores de veículos elétricos.

Leia mais: Carros elétricos dão folga fiscal até 2500 euros por ano às empresas

As vantagens de ter um Tesla não ficam por aqui. “Os utilizadores têm acesso a uma rede exclusiva de supercarregadores, espalhada por toda a Europa, e que não tem quaisquer falhas, ao contrário dos carregadores públicos”, acrescenta o mesmo dirigente.

No mercado geral, a marca norte-americana encontra-se em 22.º lugar, numa tabela que é liderada pela Renault. A marca francesa registou 1909 unidades no mês passado, um ganho de mais de 90% face ao mesmo mês do ano passado. Em segundo, surge a Peugeot, com 1462 registos, menos 0,2% do que em setembro de 2018. A Mercedes aparece em terceiro, com 1310 automóveis matriculados.

Leia mais: Portugueses são dos que pagam mais pelos carros elétricos na Europa

Setembro quebrou um ciclo de descida de vendas de carros que já durava há sete meses. Só que a ACAP relativiza uma possível melhoria dos resultados até ao final do ano: “em setembro de 2018, entrou em vigor a fase intermédia do sistema [de medição de emissões] WLTP, o que causou perturbações no mercado desse mês. Por este motivo, a comparação com o período homólogo terá de ter em atenção esse aspeto”.

Os números desde o início do ano também não dão motivos para sorrir. As vendas de carros ligeiros apresentam uma quebra de 4,7% – foram matriculados 174 024 automóveis. Nos ligeiros de mercadorias, a descida é menor: o recuo foi de 0,3%, para 28 156 unidades.

Também em maré negativa estão os carros de luxo. Foram vendidos 744 automóveis deste segmento desde o início do ano, representando uma quebra de 1,8% face ao período homólogo do ano passado. A descida não foi mais acentuada em setembro porque se venderam mais três veículos do que em igual período de 2018: 68 contra 65 carros.

Jaguar (62 unidades), Ferrari (2), Bentley (1) e Lamborghini (2) venderam mais em setembro. Já a Maserati (1) e a Aston Martin – que não vendeu nenhum carro -, travaram no mês passado. A estes dados é preciso somar a Porsche, com 82 unidades vendidas. Só não é possível comparar com os dados do ano passado porque em 2018 a marca alemã não tinha centralizada a contagem das matrículas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Tesla reforça primeiro lugar dos elétricos em Portugal