Turismo

The Independente Collective quer hotel no centro histórico do Porto

The House of Sandeman, em operação há um ano, regista uma taxa de ocupação superior a 70%. Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens
The House of Sandeman, em operação há um ano, regista uma taxa de ocupação superior a 70%. Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

O grupo, que explora o hostel The House of Sandeman, em Gaia, quer atravessar o rio Douro e explorar um hotel no centro histórico do Porto.

O The Independente Collective, grupo que explora quatro hostels no país, quer abrir um hotel no centro histórico do Porto, num momento em que o seu primeiro investimento na cidade, o The House of Sandeman Hostel & Suites, em Gaia, completa um ano de operação. “Temos interesse em estar do outro lado do rio [Douro]. Estamos a estudar a possibilidade de abrir um hotel no centro histórico do Porto”, revelou ao Dinheiro Vivo Bernardo d’Eça Leal, um dos acionistas do grupo português.

O empresário é da opinião que o Porto ainda tem espaço para mais unidades hoteleiras, tendo em conta que só há 6500 camas em hotéis e cerca de 6000 em alojamento local (AL), quando Lisboa já possui 21 mil camas em hotéis e 15 mil em AL. “O Porto tem um potencial de crescimento de RevPar [receita por quarto disponível) maior que Lisboa, o binómio investimento/retorno é maior do que na capital”, sublinhou.

A operação no The House of Sandeman, hostel que resulta de uma parceria com o grupo Sogrape, tem registado uma ocupação superior a 70%, o que permitiu que no primeiro ano de atividade gerasse uma faturação próxima do 1,2 milhões de euros. O principal mercado da unidade, com 43 camas em regime de hostel e 12 suites, é o norte-americano, seguido pelo sul coreano.

Segundo Bernardo d’Eça Leal, os turistas da Coreia do Sul costumam viajar fora da época alta, o que permite combater a sazonalidade, e procuram bastante o Porto devido nomeadamente aos influenciadores do seu país, que têm publicitado uma boa imagem da cidade. O responsável acredita também na potencialidade de crescimento do mercado norte-americano, dadas as novas rotas aéreas a unir os dois países. Como frisou, é um turista que tem uma estadia média mais longa e um gasto médio superior que outros viajantes. Os portugueses, canadianos e europeus em geral são também bons clientes deste hostel.

Comporta na mira
O The Independente Collective prepara agora a abertura para o verão de 2020 do primeiro hotel do grupo, um investimento de 1,5 milhões de euros. A unidade hoteleira vai nascer da reabilitação de um edifício junto ao elevador da Bica, em Lisboa, e terá 50 quartos. Em pipeline, estão projetos para Évora, Tavira e Comporta.

Como adiantou Bernardo d’Eça Leal, o grupo já tem ativos para avançar com os projetos de Évora (turismo de habitação) e de Tavira (hotel), estando os dois em fase de licenciamento. Na Comporta, estão a estudar também a implementação de uma unidade hoteleira. O empresário tem ainda a ambição de reforçar em Lisboa.

O The Independente Collective, detido pelos irmãos Bernardo d’Eça Leal, Martim, Duarte e Afonso, explora atualmente The Independente Hostel, The Independente Suites e The Indy House (todos em Lisboa), para além do The House of Sandeman (Gaia). A restauração é outro dos negócios. O grupo detém dois restaurantes na capital (The Decadente e The Insólito” e um no Porto, o The George. No ano passado, faturou 5,5 milhões de euros.

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
The Independente Collective quer hotel no centro histórico do Porto