Youtube

Tiroteio na sede do YouTube faz um morto e quatro feridos

Youtube

Uma mulher disparou sobre várias pessoas na sede da tecnológica, em San Bruno, numa aparente disputa doméstica

O alerta soou durante a hora de almoço dos funcionários do YouTube, quando uma mulher armada entrou a matar na sede da empresa em San Bruno, a sul de São Francisco. A mulher, identificada como Nasim Aghdam, abriu fogo sobre vários funcionários da empresa e atingiu três, um homem e duas mulheres. Uma quarta vítima terá sofrido também ferimentos e foi levada para o hospital.

A polícia chegou rapidamente ao local do tiroteio, que causou o pânico no edifício da tecnológica detida pela Google. A autora dos disparos acabou por morrer antes do confronto com a polícia, depois de disparar sobre si própria. Não é conhecida qualquer ligação entre Aghdam e as vítimas; sabe-se que ela tinha uma forte animosidade contra o YouTube, acusando o site de suprimir os seus vídeos e de não pagar.

“Temos quatro vítimas que foram transportadas devido a ferimentos relacionados com tiros e temos uma suspeita morta dentro do edifício com um tiro autoinfligido”, disse aos jornalistas o chefe da polícia de San Bruno, Ed Barberini.

De acordo com responsáveis do San Francisco General Hospital and Trauma Center, a condição dos feridos é distinta: o homem de 36 anos está em estado crítico, uma mulher de 32 anos encontra-se em estado grave e outra mulher de 27 anos tem ferimentos mais ligeiros.

O incidente foi acompanhado ao minuto nas redes sociais, com vários funcionários a irem para o Twitter e Snapchat dar conta do que estava a acontecer. O CEO da Google, que detém o YouTube, fez circular imediatamente comunicado entre os trabalhadores da empresa.

“A melhor informação que temos é que a situação está controlada”, escreveu Sundar Pichai, cerca de três horas depois dos primeiros tiros e já com toda a área envolvente evacuada. “Estou especialmente agradecido aos primeiros socorros e à nossa equipa de segurança que agiram tão rapidamente para garantir a segurança do nosso pessoal”, frisou.

Pichai referiu que a Google está a cooperar com a polícia e em contacto com os médicos para dar apoio às vítimas e às suas famílias. “Sei que muitos de vocês estão em choque neste momento”, admitiu. “Nos próximos dias, vamos continuar a oferecer o nosso apoio para ajudar toda a gente da nossa família Google a recuperar desta tragédia inimaginável”, garantiu o CEO. “Juntemo-nos agora para apoiar a Susan e a equipa do YouTube.” Pichai referia-se a Susan Wojcicki, CEO do YouTube.

O caso está a abalar a comunidade tecnológica e tem a particularidade de ter sido cometido por uma mulher, algo que é pouco comum; estatisticamente, 94% dos tiroteios são cometidos por homens.

Este tiroteio acontece também no rescaldo da maior jornada de protesto de sempre contra o lóbi das armas nos Estados Unidos, liderada pelos sobreviventes do massacre do liceu de Parkland, Flórida, a 14 de fevereiro. No final de março, a Google anunciou que ia começar a remover do YouTube vídeos que promovessem a venda de armas, em resposta ao movimento cada vez mais forte que pede restrições ao uso de armas. Morrem cerca de 93 pessoas por dia com armas de fogo nos Estados Unidos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (D), e o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares (E), participam na conferência de imprensa no final de uma reunião, em Loures. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Costa: “Há países que foram colocados em listas vermelhas por retaliação”

João Rendeiro, ex-gestor do BPP

João Rendeiro, ex-presidente do BPP, condenado a pena de prisão

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. (ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA)

Marcelo diz que revisão do défice “traduz bem a crise brutal”

Tiroteio na sede do YouTube faz um morto e quatro feridos