Hotelaria

Tolerância de ponto ajuda hotéis a ter maior ocupação no ano novo

Fotografia: 
Fernando Fontes/ Global Imagens.
Fotografia: Fernando Fontes/ Global Imagens.

A uma semana do Natal, maioria dos hotéis têm quase casa cheia para o réveillon. Portugueses vão em força.

A tolerância de ponto na véspera de ano novo está a ajudar a encher os hotéis, encorajando os portugueses a prolongarem a estadia para umas miniférias – ao invés de uma, passam duas ou mais noites.

A procura pelos hotéis Nau está “algo acima das expectativas”, admite o presidente da Comissão Executiva (CEO) do grupo, Mário Ferreira, ao Dinheiro Vivo. “Em S. Rafael e Montargil estamos já completos, pois organizamos jantares de réveillon. Em Lisboa, temos ainda alguns quartos, que contamos vender nos próximos dias, pelo que devemos igualmente encher. Nos Salgados, estamos com uma ocupação alta, mas com alguma disponibilidade, bem como no Salema”, diz o CEO. E não é só a ocupação que está em alta. Os hóspedes estão a reservar férias cada vez mais cedo e já não são só os portugueses que elegem as unidades do grupo para passar a época festiva. Nota-se cada vez mais espanhóis, principalmente no Algarve e no Alentejo.

Os corredores dos hotéis Iberostar também andarão mais movimentados por estes dias. “Até ao momento, contamos com uma ocupação de 80% no dia 31 de dezembro, sendo que no domingo e na terça é muito semelhante, pois a maior parte dos nossos hóspedes usufruirá de uma estadia superior a um dia”, assinalam.

Já a procura pelos hotéis e pousadas Pestana, maior grupo hoteleiro nacional, estará em linha com os números registados no ano passado, mas com mais camas ocupadas a Norte. Fonte oficial da cadeia de hotéis prevê uma taxa de ocupação de 96% no Porto, de 95% na Madeira, de 85% em Lisboa e a rondar os 90% no Algarve. Já as pousadas, deverão atingir os 95% nos dias 30 e 31 de dezembro, sobretudo aquelas que estão localizadas no Norte e no Alentejo. Neste momento, as unidades com mais disponibilidade são as de Amares, Queluz, Beja, Alcácer e Estoi.

O ano novo também será sinónimo de hotéis quase “lotados” para o Vila Galé, com 30 unidades em Portugal, que estima uma ocupação superior a 90%, impulsionada pela forte procura dos portugueses. “Ainda temos hotéis com disponibilidade, como o Vila Galé Collection Palácio dos Arcos ou o Vila Galé Coimbra. Mas também já há hotéis esgotados para a noite de 31 de dezembro, como o Vila Galé Porto Ribeira, Estoril, Cascais, Clube de Campo, Tavira ou Santa Cruz, na Madeira”.

As reservas já existentes confirmam as expectativas da cadeia Hotéis Real, que perspetiva 97% de ocupação, principalmente à conta de portugueses, mas também de espanhóis, alemães e ingleses. “O réveillon é um evento conhecido e reconhecido pelos nossos clientes, com uma grande taxa de fidelização e uma forte procura, principalmente pelo mercado nacional”, afirma o administrador do grupo hoteleiro. Pelas contas de António Gonçalves, o Algarve deverá chegar aos 95%, enquanto os hotéis de Lisboa, Cascais e Oeiras deverão fechar o ano em pleno a 100%. Neste período, o grupo prevê encaixar 400 mil euros, devido ao aumento do preço médio para 85 euros.

Já o Lisbon Marriott Hotel, detido pelo grupo Marriott, prevê um cenário mais moderado. A ocupação deverá ser rondar os 80%.

No Algarve, dados da associação que representa a hotelaria da região (AHETA) mostram que Albufeira, Vilamoura e Sotavento continuam entre os destinos preferidos dos residentes. Mas a ocupação não ultrapassará os 35%, embora ligeiramente acima do ano passado, mesmo que à custa de promoções com preços muito atrativos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Tolerância de ponto ajuda hotéis a ter maior ocupação no ano novo