Tomate: Sugal vai terminar ano com 60% da produção no exterior

João Ortigão Costa, responsável da Sugal
João Ortigão Costa, responsável da Sugal

A Sugal, a fabricante portuguesa de concentrado de tomate e dona da marca Guloso, vai terminar 2015 com 60% da produção fora de Portugal, apenas três anos depois de ter começado a sua internacionalização comprando fábricas no Chile e em Espanha.

“Prevemos, em 2015, que o peso da produção internacional da Sugal seja reforçado pelo aumento da nossa atividade no Chile e em Espanha, passando a ter 60% da nossa atividade fora de Portugal”, disse, em comunicado, o responsável do grupo, João Ortigão Costa.

Só no Chile, a Sugal processou, na campanha deste ano, um total de 550 mil toneladas de tomate, mais 38% que em 2012, ano em que a empresa comprou as duas fábricas, localizadas em Tilcoco e Talca, a sul de Santiago.

É quase metade dos 1,2 milhões de toneladas de tomate processado pela empresa em 2014 nas duas fábricas em Portugal, na de Espanha e nas duas do Chile.

“Perante esta evolução da campanha do tomate no Chile, a Sugal estima que as vendas deverão atingir os 115 milhões de euros em 2015 representando cerca de 46% da faturação total do grupo apenas com o tomate”, pode ler-se no documento enviado esta terça-feira.

“Estes resultados deixam-nos muito otimistas em relação ao futuro uma vez que a aposta na internacionalização está a transformar uma empresa que, em 2010, não tinha qualquer presença fora de Portugal, numa multinacional de referência no sector a nível mundial”, considerou João Ortigão Costa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Tomate: Sugal vai terminar ano com 60% da produção no exterior