falência

Toys ‘R’ Us estuda “eventual venda” em Portugal

REUTERS/Stephane Mahe
REUTERS/Stephane Mahe

Segundo a nota, a cadeia de brinquedos está a considerar "opções que incluem a eventual venda" do negócio em Portugal

Depois de anunciar o encerramento de todas as lojas no Reino Unido e nos Estados Unidos, o Toys ‘R’ Us ainda está a avaliar se o negócio em Portugal é para manter.

Em comunicado enviado às redações, o diretor-geral da marca em Portugal e Espanha, Jean Charretteur, revela que a Toys ‘R’ Us está “a trabalhar, em estreita colaboração com os nossos assessores, para definir medidas que nos permitam preservar a continuidade da nossa atividade em Portugal e Espanha, bem como os interesses dos nossos funcionários.”

Segundo a nota, a cadeia de brinquedos está a considerar “opções que incluem a eventual venda” do negócio em Portugal, mas também na Austrália, França, Polónia e Espanha.

Entretanto, a empresa garante estar a “implementar um acordo de serviços de transição e a desenvolver planos para uma possível função de serviço partilhado para apoiar operações internacionais no futuro”.

As lojas permanecem, por enquanto, “abertas com absoluta normalidade e continuam a trabalhar para garantir o melhor serviço”, acrescenta a empresa.

O encerramento no Reino Unido e nos Estados Unidos daquela que já foi uma das maiores comerciantes de brinquedos do mundo já é uma certeza.

A empresa “apresentou pedido de aprovação ao Tribunal de Falências dos EUA para iniciar o processo de encerramento das suas lojas nesse mercado. Anunciou ainda que está em processo de reorganização e venda das suas operações no Canadá, Ásia, Alemanha, Áustria e Suíça”.

A empresa anunciou ainda que que está a negociar “um potencial acordo pelo qual 200 lojas dos EUA possam ser operadas pelo Canadá”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa, primeiro-ministro português, em Bruxelas. EPA/CHRISTIAN HARTMANN / POOL

O que já se sabe que aí vem no Orçamento para 2020

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os 0,3% que acabaram com a paz entre função pública e governo

Marcelo Rebelo de Sousa, Christine Lagarde e Mário Centeno. Fotografia: MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/LUSA

Centeno responde a Marcelo com descida mais rápida da dívida

Outros conteúdos GMG
Toys ‘R’ Us estuda “eventual venda” em Portugal