negócios

Investidores portugueses ‘salvam’ Toys “R” Us em Portugal e Espanha

Toys R Us

Investidores portugueses adquiriam a marca de brinquedos, garantido a continuidade do negócio na Península Ibérica.

A Toys “R” Us Iberia vai continuar a operar em Portugal e Espanha, depois de ser adquirida por uma sociedade portuguesa, a Green Swan. Após as incertezas provenientes do encerramento da Toys “R” Us nos Estados Unidos e Inglaterra, este processo garante a continuidade do negócio de brinquedos em Portugal e Espanha, mantendo todas as lojas em funcionamento e garantido a manutenção dos postos de trabalho.

Jean Charretteur, até agora Diretor Geral da Ibéria e França, considera que “este acordo é consequência do processo desenvolvido pela empresa desde março, que tinha como objetivo encontrar um investidor que trouxesse os recursos e ambição para assegurar, em linha com a implementação do plano de negócios, a viabilidade da Toys “R” Us em Espanha e Portugal. Começa agora uma fase motivante, a operação não parou e todos estão já a trabalhar na campanha de Natal”.

A aquisição contou com o apoio do Grupo Toys “R” Us e dos stakeholders da Toys “R” Us Iberia. A atual equipa de gestão vai manter-se e Paulo Sousa Marques assumirá o cargo de CEO.

“Estamos muito confiantes e seguros do futuro desta empresa, com todo o capital humano existente e as suas competências, nos colaboradores e parceiros, e muito motivados para continuar a oferecer às famílias, aos seus bebés e crianças, as melhores ofertas de produtos, desde a puericultura, materiais pedagógicos e os de entretenimento”, afirmou Paulo Sousa Marques.

Nas próximas semanas serão definidos os objetivos para a empresa nos dois países, que conta atualmente com 61 lojas e 1.300 colaboradores. E, como prova da viabilidade do negócio, em setembro abrirá já uma nova loja em Madrid.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa, primeiro-ministro português, em Bruxelas. EPA/CHRISTIAN HARTMANN / POOL

O que já se sabe que aí vem no Orçamento para 2020

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os 0,3% que acabaram com a paz entre função pública e governo

Marcelo Rebelo de Sousa, Christine Lagarde e Mário Centeno. Fotografia: MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/LUSA

Centeno responde a Marcelo com descida mais rápida da dívida

Outros conteúdos GMG
Investidores portugueses ‘salvam’ Toys “R” Us em Portugal e Espanha