Automóvel

Autoeuropa regressa ao trabalho após paragem forçada de dez dias

Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens
Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens

Os trabalhadores da Autoeuropa regressam hoje ao trabalho depois de uma paragem forçada, de dez dias

Os trabalhadores da Autoeuropa regressam hoje ao trabalho depois de uma paragem forçada, de dez dias, devido à falta de motores para os veículos a gasolina produzidos na fábrica de automóveis da Volkswagen em Palmela.

Segundo a administração da Autoeuropa, a paragem da linha de produção, no período de 24 de março a 02 de abril, ficou a dever-se a um “aumento da procura de veículos a gasolina”, que terá apanhado de surpresa alguns fornecedores da Volkswagen.

A fábrica de automóveis da Volkswagen em Palmela prevê atingir um volume de produção na ordem dos 240.000 veículos até final do ano, a maioria dos quais no novo modelo T-Roc.

Para aumentar o volume de produção de forma a satisfazer as encomendas do novo veículo produzido em Palmela, a administração da Autoeuropa já tinha implementado um novo horário, que inclui o trabalho aos sábados, mas alguns fornecedores parecem estar com dificuldades em acompanhar o ritmo da fábrica.

Certo é que a fábrica de Palmela deverá acelerar ainda mais o ritmo de produção a partir do próximo mês de agosto, data em que deverá ser implementado um novo horário de laboração contínua, que deverá ainda ser objeto de negociação entre a administração e a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O antigo secretário de Estado da Energia e da Inovação, Henrique Gomes, fala perante a Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, na Assembleia da República em Lisboa, 23 de janeiro de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Henrique Gomes disse que “Mexia é osso duro de roer” e teve de sair da REN

A área alimentar gerou vendas históricas de quatro mil milhões de euros. Fotografia: D.R.

Sonae atinge vendas recorde de 6,3 mil milhões com impulso do Natal

António Costa, primeiro-ministro, e Mário Centeno, ministro das Finanças, num debate parlamentar sobre o OE2019. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Universidade Católica prevê menos crescimento em 2018 e 2019

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Autoeuropa regressa ao trabalho após paragem forçada de dez dias