Automóvel

Autoeuropa regressa ao trabalho após paragem forçada de dez dias

Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens
Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens

Os trabalhadores da Autoeuropa regressam hoje ao trabalho depois de uma paragem forçada, de dez dias

Os trabalhadores da Autoeuropa regressam hoje ao trabalho depois de uma paragem forçada, de dez dias, devido à falta de motores para os veículos a gasolina produzidos na fábrica de automóveis da Volkswagen em Palmela.

Segundo a administração da Autoeuropa, a paragem da linha de produção, no período de 24 de março a 02 de abril, ficou a dever-se a um “aumento da procura de veículos a gasolina”, que terá apanhado de surpresa alguns fornecedores da Volkswagen.

A fábrica de automóveis da Volkswagen em Palmela prevê atingir um volume de produção na ordem dos 240.000 veículos até final do ano, a maioria dos quais no novo modelo T-Roc.

Para aumentar o volume de produção de forma a satisfazer as encomendas do novo veículo produzido em Palmela, a administração da Autoeuropa já tinha implementado um novo horário, que inclui o trabalho aos sábados, mas alguns fornecedores parecem estar com dificuldades em acompanhar o ritmo da fábrica.

Certo é que a fábrica de Palmela deverá acelerar ainda mais o ritmo de produção a partir do próximo mês de agosto, data em que deverá ser implementado um novo horário de laboração contínua, que deverá ainda ser objeto de negociação entre a administração e a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
apple one

Apple One junta vários serviços, chega a Portugal mas com limitações. O que tem

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

Os ministros da Presidência do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva (C), Economia, Pedro Sia Vieira (E) e do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D). MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Portugal é o quarto país da UE onde é mais difícil descolar do mínimo

Autoeuropa regressa ao trabalho após paragem forçada de dez dias