Efacec

Trabalhadores da Efacec manifestam-se em Lisboa pelos postos de trabalho

Efacec

Em "defesa dos seus postos de trabalho", os trabalhadores da Efacec, em greve, manifestam-se hoje em Lisboa.

Os trabalhadores da Efacec, em greve, manifestam-se hoje em frente à Assembleia da República, em Lisboa, em “defesa dos seus postos de trabalho” e de melhores condições laborais.

“Os trabalhadores defrontam-se com graves problemas do ponto de vista da defesa dos seus postos de trabalho, dos seus direitos e das preocupações quanto ao futuro desta empresa, que se posiciona como estratégica para a Economia Nacional”, indicaram, em comunicado, as Organizações Representativas dos Trabalhadores da EFACEC.

De acordo com a mesma fonte, os funcionários acordaram, em plenário, iniciar um dia de greve, que cumprem hoje, e realizar no mesmo dia uma manifestação para “expor as suas preocupações aos grupos parlamentares”.

Já no dia 27 de outubro os trabalhadores da empresa que opera nos setores da energia, engenharia e mobilidade, estiveram em greve contra os despedimentos que o sindicato alega que a administração quer fazer, apesar de a empresa ter considerado que não existiam fundamentos para o protesto.

O dirigente do SITE-Norte (Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Norte), Miguel Moreira, disse à agência Lusa, na altura, que a greve foi convocada para denunciar as “pressões que a empresa está a fazer para despedir vários trabalhadores”.

O dirigente sindical relatou que a Efacec “está a fazer uma restruturação” e que vários trabalhadores “estão a ser chamados aos gabinetes para prescindirem do seu emprego, o que é inaceitável”.

Contactada pela Lusa, no mesmo dia, fonte oficial da EFACEC disse que a empresa “respeita o direito à greve, mas considera que não existem fundamentos para a convocação da mesma”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Céu cinzento de Londres. Fotografia: D.R.

Portugal fora do corredor turístico britânico. Madeira e Açores entram

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, acompanhado pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (Foto: Mário Cruz/Lusa)

Recuperar poder de decisão na TAP obriga Estado a pagar mais

O presidente do conselho de administração da TAP, Miguel Frasquilho. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Frasquilho: Reestruturação da TAP “não vai ser isento de dor”

Trabalhadores da Efacec manifestam-se em Lisboa pelos postos de trabalho