PT

Trabalhadores da PT protestam em Faro contra transferência para outras empresas

Fotografia: Filipe Amorim / Global Imagens
Fotografia: Filipe Amorim / Global Imagens

Cerca de 80 trabalhadores de telecomunicações concentraram-se hoje junto às instalações da PT/MEO, em Faro, no Algarve

Cerca de 80 trabalhadores de telecomunicações concentraram-se hoje junto às instalações da PT/MEO, em Faro, no Algarve, em protesto contra as transferências para outras empresas e parceiros do grupo e em defesa da estabilidade da empresa.

“A nossa luta pretende evitar que os trabalhadores sejam transferidos para empresas precárias, cujo objetivo pode ser o despedimento e pela defesa da estabilidade do trabalho e da contratação coletiva”, disse à agência Lusa António Moura do Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Telecomunicações e Audiovisual (SINTTAV).

A concentração à porta das instalações da PT/MEO na capital algarvia, seguiu-se ao plenário que juntou cerca de uma centena de trabalhadores, para esclarecer e preparar a greve geral anunciada para sexta-feira.

Em causa está o facto de a PT Portugal ter anunciado internamente que iria transferir no dia 22 de julho, 118 trabalhadores para empresas do grupo Altice e Visabeira, o que motivou que os sindicatos convocassem uma greve geral para 21 de julho contra a transferência de trabalhadores para outras empresas e parceiros do grupo.

O representante do SINTTAV disse à Lusa que a greve pretende “envolver o poder político no sentido de alterar a legislação, de forma a evitar a transferência de trabalhadores, devido ao receio de que os mesmos venham a ser despedidos”.

“A empresa tinha anunciado que tinha cerca de quatro mil trabalhadores a mais e, o nosso receio é que a transferência para empresas precárias, algumas constituídas há pouco tempo, acabe em despedimentos”, sublinhou o sindicalista.

Segundo António Moura, os trabalhadores “estão a viver um momento conturbado e de indefinição quanto ao futuro, quando o que se pretende é uma maior estabilidade dos postos de trabalho e da empresa”.

“A nossa luta irá manter-se até que a empresa apresente medidas corretas de gestão em relação aos trabalhadores e que o poder político se envolva para travar despedimentos e manter a estabilidade e qualidade da empresa”, concluiu.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Carlos Costa, governador do Banco de Portugal Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Guerra comercial generalizada rouba 2,5% à economia portuguesa até 2020

Paulo Maçedo, presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens

CGD emite dívida mais barata apesar do boicote de grandes fundos

IVA aduaneiro fisco

Mexer no ISP não garante descida do preço de venda

Outros conteúdos GMG
Trabalhadores da PT protestam em Faro contra transferência para outras empresas