media

Trabalhadores da RTP Porto manifestam-se contra “flagelo da precariedade”

Fotografia: Gonçalo Villaverde/Global Imagens
Fotografia: Gonçalo Villaverde/Global Imagens

Os trabalhadores da RTP têm prevista uma greve contra o congelamento dos salários, a requalificação dos profissionais e a demora na dos precários

Os trabalhadores da RTP no Porto vão manifestar-se para “dizer basta” ao “flagelo da precariedade” na estação pública, nomeadamente após pareceres negativos para integração de trabalhadores precários no programa PREVPAP.

Em comunicado hoje divulgado, a Subcomissão de Trabalhadores, que representa os funcionários da delegação do Porto, apela à participação no protesto marcado para segunda-feira, pelas 15 horas, em frente às instalações da RTP naquela cidade.

“Vamos manifestar-nos, a uma só voz, para acabar de vez com o flagelo da precariedade na empresa. Vamos juntar-nos e dizer basta”, sublinha a estrutura.

Em causa estão os pareceres negativos no âmbito do programa de regularização extraordinária dos vínculos precários na Administração Pública (PREVPAP).

De um total de quase 400 requerimentos apresentados neste programa, só cerca de 130 trabalhadores tiveram parecer favorável à integração.

Segundo a subcomissão, ao elaborar os pareceres para a Comissão de Avaliação Bipartida (CAB) de Cultura, a administração da RTP “deu massivamente pareceres negativos à integração de trabalhadores que iriam suprir as necessidades mais evidentes”, funcionários estes ligados aos programas Praça da Alegria e Aqui Portugal, às áreas técnicas dos turnos de informação, às equipas vídeo móvel e à área técnica e redação da rádio.

“A empresa decidiu dar um sinal inequívoco do seu pensamento estratégico, não só sobre a política para os recursos humanos que (não) tem mas, igualmente, o modo como (não) pensa o importante papel do centro de produção do norte no contexto da prestação de serviço público de rádio e de televisão”, lamenta a estrutura.

Recordando que estas são “áreas estão subdimensionadas”, a subcomissão adianta que, “infelizmente”, caiu “a máscara à administração da RTP”.

No início de novembro, cerca de meia centena de jornalistas, tradutores, locutores, repórteres de imagem, entre outros trabalhadores precários do universo RTP, protestaram em frente à sede da estação televisiva, em Lisboa, contra a falta de respostas do Governo sobre a sua integração.

Já esta semana, na quarta-feira, os trabalhadores da RTP aprovaram, em plenário, a realização de uma greve como forma de luta.

Em causa estão os aumentos salariais dos trabalhadores da estação pública, congelados há 10 anos, a perspetiva de requalificação dos profissionais ou a demora da integração dos precários como efetivos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

ISEG estima queda do PIB entre 8% e 10% este ano

António Mota, fundador da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Mota-Engil é a única portuguesa entre as 100 maiores cotadas do setor

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Lucros da Corticeira Amorim caíram 15,1% para 34,3 milhões no primeiro semestre

Trabalhadores da RTP Porto manifestam-se contra “flagelo da precariedade”