greve

Trabalhadores do Pingo Doce concentram-se terça-feira à porta da sede, em Lisboa

Fotografia: Miguel Silva/Global Imagens
Fotografia: Miguel Silva/Global Imagens

Os trabalhadores do Pingo Doce vão concentrar-se na terça-feira à porta da sede da empresa pela resposta aos cadernos reivindicativos.

Os trabalhadores do Pingo Doce, cadeia de supermercados da Jerónimo Martins, vão concentrar-se na terça-feira à porta da sede da empresa pela resposta aos cadernos reivindicativos, disse hoje à Lusa a dirigente do CESP Isabel Camarinha.

No âmbito da quinzena de luta dos trabalhadores nas empresas de grande distribuição, foi emitido um pré-aviso de greve de 24 horas para os funcionários dos supermercados Pingo Doce para terça-feira, de acordo com o CESP – Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritório e Serviços de Portugal.

“Apresentámos um caderno reivindicativo ao qual a empresa ainda não deu resposta”, adiantou a sindicalista, referindo ainda como razões o facto de os aumentos atribuídos aos trabalhadores da cadeia de supermercados da Jerónimo Martins “não terem sido aplicados a todos”, considerando tratar-se de “discriminação”.

Além disso, “mantém-se uma situação de desrespeito completo pelos horários de trabalhos”, prosseguiu, salientando haver “muito descontentamento” no seio do Pingo Doce.

Por outro lado, sendo o Pingo Doce a liderar a APED – Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição, tem nas mãos o contrato coletivo de trabalho, que ainda não viu a luz do dia.

Isabel Camarinha sublinhou também que “todos os trabalhadores” do setor da grande distribuição “vão estar em greve no 1.º de Maio”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Ramalho (Novo Banco), Luís Pereira Coutinho (Banco Postal), Nuno Amado (BCP) e António Vieira Monteiro (Santander Totta). Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Transferências bancárias imediatas sim, mas com custos

Fotografia: Leonardo Negrão / Global Imagens

Lesados do Banif pedem indemnização de 100 milhões a Portugal e a Bruxelas

As associações representativas dos taxistas marcaram para esta quarta-feira uma manifestação nacional contra a promulgação pelo Presidente da República do diploma que regula as plataformas electrónicas de transporte como a Uber, Cabify, Taxify e Chaffeur Privé. Manifestação de Lisboa.
Táxis junto à rotunda do Marquês de Pombal 
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Plataformas de transportes ganham pouco com concentração dos taxistas

Outros conteúdos GMG
Trabalhadores do Pingo Doce concentram-se terça-feira à porta da sede, em Lisboa