Concentração

Trabalhadores do Pingo Doce protestam em Espinho contra “discriminação salarial”

Pingo Doce
Pingo Doce

Trabalhadores do Pingo Doce concentram-se em frente à loja de Espinho para denunciar a "discriminação salarial"

Trabalhadores do Pingo Doce concentram-se esta segunda-feira em frente à loja de Espinho para denunciar a “discriminação salarial” que dizem vigorar no setor dos hipermercados e naquela cadeia em particular.

Agendada para as 11:30, a concentração é promovida pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) e irá juntar dirigentes sindicais e trabalhadores do Pingo Doce, nomeadamente da loja de Espinho.

Em declarações à agência Lusa, a dirigente do CESP Cláudia Pereira explicou que em causa estão as “duas tabelas salariais diferentes” previstas no Contrato Coletivo de Trabalho da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED): “A tabela A, que se aplica a todos os trabalhadores dos distritos de Lisboa, Porto e Setúbal, e a tabela B, que se aplica aos restantes trabalhadores do país”.

“Por esta via, há trabalhadores (aos quais é aplicada a tabela B) a receberem menos 30 euros por mês no seu salário”, afirma, sustentando tratar-se de uma “injustiça muito evidente nos trabalhadores de hipermercados”.

Segundo o CESP, “ao contrário de outras empresas que já aplicam a tabela A em todo o país”, o Pingo Doce “continua a aproveitar-se da tabela B para pagar menos aos trabalhadores, discriminando-os no que diz respeito aos salários”.

“O Pingo Doce faz dos baixos salários a política da empresa”, critica o sindicato, salientando que, possuindo a empresa lojas por todo o país, “para um trabalhador com a mesma categoria profissional há salários diferentes”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

Os postos de combustíveis no país estão a ser abastecidos com a máxima urgência. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Motoristas asseguram combustível na Páscoa

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Trabalhadores do Pingo Doce protestam em Espinho contra “discriminação salarial”