Trabalho

Trabalhadores dos call-centers em greve por melhores salários

Fotografia: DR
Fotografia: DR

Os trabalhadores reivindicam a integração nos quadros das empresas para as quais prestam serviços, como a MEO, NOS, Vodafone, EDP e outras.

Os trabalhadores dos centros de atendimento telefónico de empresas de telecomunicações estão em greve nacional por melhores salários e condições de trabalho e vão manifestar-se em várias cidades do país.

O coordenador da Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans), José Manuel Oliveira, disse à agência Lusa que “a paralisação deverá ter uma adesão significativa tendo em conta a mobilização mostrada pelos trabalhadores”.

Segundo o sindicalista, estes trabalhadores auferem salários muito baixos, não têm condições de trabalho e são precários.

“Por isso, avançaram para a luta, porque reivindicam a integração nos quadros das empresas para as quais prestam serviços, nomeadamente a MEO, NOS, Vodafone, EDP, Segurança Social e outras”, disse.

Se os trabalhadores dos call-centers das empresas de telecomunicações fossem integrados nos quadros das empresas onde prestam serviço passariam a ser abrangidos pela contratação coletiva.

“Isto faria com que tivessem direitos e melhores condições de trabalho”, considerou José Manuel Oliveira à Lusa.

Os trabalhadores em greve vão concentrar-se no Funchal, em Beja, Castelo Branco, Lisboa e Porto para chamar a atenção para o seu protesto.

A manifestação de Lisboa contará com a presença do secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, e realiza-se frente ao edifício da NOS, no Campo Grande.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Trabalhadores dos call-centers em greve por melhores salários