Trabalho

Trabalhadores dos call-centers em greve por melhores salários

Fotografia: D.R.
Fotografia: D.R.

Os trabalhadores reivindicam a integração nos quadros das empresas para as quais prestam serviços, como a MEO, NOS, Vodafone, EDP e outras.

Os trabalhadores dos centros de atendimento telefónico de empresas de telecomunicações estão em greve nacional por melhores salários e condições de trabalho e vão manifestar-se em várias cidades do país.

O coordenador da Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans), José Manuel Oliveira, disse à agência Lusa que “a paralisação deverá ter uma adesão significativa tendo em conta a mobilização mostrada pelos trabalhadores”.

Segundo o sindicalista, estes trabalhadores auferem salários muito baixos, não têm condições de trabalho e são precários.

“Por isso, avançaram para a luta, porque reivindicam a integração nos quadros das empresas para as quais prestam serviços, nomeadamente a MEO, NOS, Vodafone, EDP, Segurança Social e outras”, disse.

Se os trabalhadores dos call-centers das empresas de telecomunicações fossem integrados nos quadros das empresas onde prestam serviço passariam a ser abrangidos pela contratação coletiva.

“Isto faria com que tivessem direitos e melhores condições de trabalho”, considerou José Manuel Oliveira à Lusa.

Os trabalhadores em greve vão concentrar-se no Funchal, em Beja, Castelo Branco, Lisboa e Porto para chamar a atenção para o seu protesto.

A manifestação de Lisboa contará com a presença do secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, e realiza-se frente ao edifício da NOS, no Campo Grande.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Mário Centeno 
(EPA-EFE/PATRICIA DE MELO MOREIRA)

Lentidão nos reembolsos fazem disparar IRS em plena crise

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (C), acompanhado pelo ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno e pelo presidente da CP, Nuno Freitas (E), na assinatura do contrato de serviço público entre o Estado e a CP, na Estação do Rossio, em Lisboa, 28 de novembro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

CP sem contrato com Estado só tem dinheiro até junho

avião da TAP

PS desafia TAP a corrigir plano de rotas áreas que “lesa interesse nacional”

Trabalhadores dos call-centers em greve por melhores salários