Transavia não para de crescer nas rotas portuguesas

ng3106495

A Transavia France está a estudar a possibilidade de abrir uma nova rota para Portugal no período de inverno, uma vez que o crescimento de passageiros naquele que é o terceiro mercado da companhia tem sido “excelente”. Só nos últimos dois anos, a companhia low cost subsidiária da Air France duplicou os lugares disponíveis entre Portugal e França e deverá, este ano, ultrapassar o meio milhão.

“As taxas de ocupação entre Portugal e Paris andam sempre acima dos 85%, por isso em agosto chegamos a aumentar as frequências entre o Porto e Paris até quatro voos por dia”, adianta Jean-Florent Meli, diretor de Vendas da Transavia France.

Entre a Transavia France e a Transavia holandesa (Air France/KLM), contabilizando voos extra e charters contratados pelos operadores, este ano estarão disponíveis perto de um milhão de lugares entre aeroportos portugueses e franceses ou holandeses. A Transavia holandesa, que voa entre Lisboa, Faro, Funchal e Amesterdão, disponibilizará 350 mil lugares. Portugal afirma-se, assim, como o terceiro mercado de ambas as companhias. Mas não já está muito distante dos destinos de topo dos franceses – Marrocos, com 532 mil lugares disponibilizados este ano, e Tunísia, com 520 mil lugares.

Portugal pode mesmo vir a ser a melhor aposta da jovem companhia low cost. “É certamente uma boa aposta”, confessa o diretor de Vendas, confiante na possibilidade de um dos três aviões que a Air France lhes dispensará em setembro vir a inaugurar mais uma rota para Portugal. “Pode ser de Porto para Lille ou Lyon ou qualquer uma das outras possibilidades de novas bases no Norte de França que estamos a estudar. Depende também das ligações que a Air France irá fazer nos outros aeroportos, enfim, temos de esperar pelo que dirão em setembro”, revelou.

Apesar de não ser “possível caraterizar o passageiro típico”, Jean-Florent Meli não dissocia o êxito das rotas entre Portugal e França da forte presença de emigração portuguesa, particularmente no Norte de França, onde a Transavia France tem as suas bases. “Sabemos que há um aumento de turistas franceses a virem para Portugal, mas os aviões não vão vazios no sentido oposto: 40% das nossas vendas são feitas em Portugal”, revela o diretor de vendas da Transavia France.

Parte dos bons resultados Jean-Florent Meli atribui à “competitividade dos aeroportos portugueses e ao abundante apoio das autoridades portuguesas, que nem sempre existe noutros países”. O responsável assegura que “há sempre apoio de marketing para o lançamento de novas rotas, não a nível de dinheiro, que ninguém tem neste momento, mas de trabalho, de informação, de recursos humanos bem treinados e disponíveis para fazer o melhor possível”.

A crise é, apesar do êxito, perceptível nas vendas. “Sabemos que temos de estar sempre a controlar as tarifas, que começam a partir de 49euro ou 69euro por viagem, para estarmos a par da concorrência. No negócio low cost o cliente é muito sensível a pequenas variações e podemos perder vendas apenas por 1euro de diferença numa tarifa”, desvenda.

A Transavia.com France opera entre Porto, Lisboa e Funchal (que liga às cidades portuguesas, a Paris e a Nantes) e Paris e Nantes, fazendo ainda ligações contratadas por operadores (charter) para Faro. No primeiro trimestre deste ano, efetuou 459 voos nas rotas referidas. As ligações entre o Porto e Paris e entre o Porto e Nantes são as mais concorridas, com ocupações de 91,5% e de 95,6%, respetivamente, entre janeiro e março deste ano.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: D.R.

Renováveis baixaram fatura da luz em 2,4 mil milhões em dez anos

TVI

Compra da TVI pela Cofina deverá ter luz verde dos reguladores

Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Exportações de calçado crescem 45% para a China e 17% para os EUA

Outros conteúdos GMG
Transavia não para de crescer nas rotas portuguesas