Ryanair

Tribunal considera que Ryanair não é obrigada a pagar indemnizações

Fotografia: EPA/STEPHANIE LECOCQ
Fotografia: EPA/STEPHANIE LECOCQ

Um tribunal de Barcelona considerou a greve em Portugal um "acontecimento extraordinário", o que libertou a Ryanair do pagamento de uma indemnização.

Um tribunal de Barcelona deu razão à companhia aérea irlandesa Ryanair, num documento publicado a 5 de setembro. Em causa estava um pedido de indemnização de um casal espanhol, cujo voo que os levaria do Porto até Barcelona a 1 de abril, foi cancelado devido à greve dos tripulantes da low cost em Portugal. O casal pediu 500 euros de indemnização, mas segundo o espanhol El País, o tribunal considerou que a companhia aérea não é obrigada a pagar indemnizações, dado que a greve se tratou de uma “circunstância extraordinária”.

Esta decisão vai contra a normativa europeia, que prevê uma indemnização obrigatória entre 250 e 600 euros, para todos os voos que sejam cancelados com menos de 15 dias de antecedência e se refiram a distâncias inferiores a 1.500 quilómetros. Sobre esta decisão conhecida a 5 de setembro, a Ryanair alega ter cumprido as suas obrigações ao comunicar aos viajantes o cancelamento dos voos, além de reembolsar o preço dos bilhetes e ter conseguindo que voassem no dia seguinte.

O tribunal de Barcelona considerou que a companhia aérea liderada por Michael O’Leary “cumpriu satisfatoriamente as suas obrigações”, provando que “não podiam ter-se evitado e foram ainda tomadas todas as medidas possíveis”, refere o El País.

O documento refere ainda que são consideradas como exceções às indemnizações os “casos de instabilidade política, condições meteorológicas incompatíveis com a realização do voo, riscos para a segurança, problemas inesperados na segurança do voo e greves que afetam as operações de uma companhia aérea”.

Esta decisão tem gerado controvérsia, principalmente por parte das associações de defesa do consumidor. As associações defendem que a companhia aérea irlandesa deve mais de 20 milhões em indemnizações, só pelos voos cancelados pelas greves de 25 e 26 de julho, e 28 de setembro.

Já em 2013, o Tribunal de Madrid tinha dado razão à companhia aérea, por se tratar de uma “greve convocada e aprovada pela autoridade competente, na qual foram ainda tomadas todas medidas razoáveis para evitar as suas consequências relativamente aos passageiros correspondentes”.

A sentença que veio de Barcelona critica ainda o próprio regulamento europeu, por não ser “explícito” na definição dos acontecimentos “particularmente extraordinários”, tais como as greves, e por isso acrescenta que se deve analisar “caso a caso”.

A greve dos tripulantes e pessoal de cabine da Ryanair avançou em Portugal, Espanha, Bélgica, Holanda, Itália e Alemanha. Estima-se que tenha afetado voos de cerca de 30.000 passageiros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
16. Empregados de mesa

Oferta de emprego em alta no verão segura aumento de salários

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)

Marcelo aprova compra do SIRESP. Governo fica com “acrescidas responsabilidades”

draghi bce bancos juros taxas

BCE volta a Sintra para o último Fórum com Draghi na liderança

Outros conteúdos GMG
Tribunal considera que Ryanair não é obrigada a pagar indemnizações