mobilidade

Trotinetes da Voi rumam ao Sul. Faro é a segunda cidade portuguesa

Voi

Empresa sueca é o primeiro operador de mobilidade em Portugal a estar presente em duas cidades nacionais.

A Voi é a primeira empresa a partilhar trotinetes elétricas em duas cidades portuguesas. A plataforma sueca anunciou esta segunda-feira a chegada à cidade de Faro, poucos meses depois do arranque da operação em Portugal. A utilização destas trotinetes vai custar 15 cêntimos por minuto mais um euro pelo desbloqueamento.

Na fase de arranque, haverá 100 trotinetes elétricas da Voi nas ruas de Faro. Este número “irá aumentar gradualmente, conforme a procura, tal como tem sido feito em Lisboa”, indica fonte oficial da empresa ao Dinheiro Vivo.

“Faro é a segunda cidade portuguesa em que operamos e a 12ª a nível global, o que demonstra não apenas o compromisso da cidade para com a sustentabilidade ambiental mas também a importância dos veículos elétricos para uma mudança positiva”, explica Frederico Venâncio, diretor-geral da Voi para o mercado ibérico.

Este responsável sinaliza ainda que “o apoio da Câmara Municipal de Faro foi fundamental para que assegurar que as Voi’s são colocadas nos locais onde são mais necessárias”.

Rogério Bacalhau, presidente da câmara de Faro, diz que a chegada desta empresa de partilha de trotinetes a Portugal gera a “expectativa de que estes novos projetos de mobilidade partilhada venham a representar um primeiro passo no sentido do desenvolvimento sustentado do concelho”.

A Voi é uma das seis empresas a partilhar trotinetes em Portugal. Esta empresa sueca concorre com a Lime, Hive, Tier, Bungo e Flash.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Mexia, presidente executivo da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Chineses da EDP não abdicam de desblindar estatutos. OPA quase morta

O dia, segunda-feira de Páscoa, prejudicou a concentração dos ex-operários junto à casa-mãe, a Miralago. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Ex-operários tentam evitar saída de máquinas da Órbita

O secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP), José Abrãao, numa manifestação. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

FESAP. Inspetores do Estado podem ficar 10 anos sem progredir nas carreira

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Trotinetes da Voi rumam ao Sul. Faro é a segunda cidade portuguesa