Guerra comercial

Trump sugere à Apple que produza nos EUA e não na China

Presidente dos EUA, Donald Trump. REUTERS/Leah Millis
Presidente dos EUA, Donald Trump. REUTERS/Leah Millis

O presidente norte-americano, Donald Trump, sugeriu à Apple que produza nos Estados Unidos e não na China.

O presidente norte-americano, Donald Trump, sugeriu este sábado ao grupo tecnológico Apple que produza nos Estados Unidos e não na China, como sendo a melhor forma de evitar as consequências da guerra comercial em curso com Pequim.

“Os preços [de produtos] da Apple podem aumentar por causa das enormes tarifas que podem ser impostas à China”, sublinhou Trump, na rede social Twitter, depois de ter ameaçado na sexta-feira taxar a totalidade das importações provenientes da China, que acusa de práticas comerciais “desleais”.

“Mas há uma solução fácil”, acrescentou, sugerindo: “Fabriquem os vossos produtos nos Estados Unidos e não na China. Comecem a construir já novas fábricas”.

A Apple está dependente do gigante asiático para o fabrico de muitos dos seus aparelhos, podendo vir a sofrer o impacto do conflito comercial entre os dois países.

O líder do grupo, Tim Cook, considerou recentemente que as tarifas impostas à China pela administração norte-americana parecem “taxas sobre o consumidor”.

Entre julho e agosto, 50 mil milhões de dólares de bens chineses já foram abrangidos por taxas impostas pelos Estados Unidos. Pequim respondeu com medidas idênticas e avisou que pode ainda taxar produtos provenientes dos Estados Unidos equivalentes a 60 mil milhões de dólares.

Donald Trump tem deixado pairar a ameaça de taxar 200 mil milhões suplementares de bens chineses. Esta nova medida “pode ser aplicada muito em breve, depende do que se passar com eles”, afirmou na sexta-feira.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Teodora Cardoso. TIAGO PETINGA/LUSA

Teodora Cardoso alerta para controlo da despesa na saúde

No segundo trimestre deste ano, o aeroporto de Lisboa movimentou 7,7 milhões de passageiros.

Aeroporto de Lisboa recebe mais de 7 milhões de turistas no segundo trimestre

António Ramalho (Novo Banco), Luís Pereira Coutinho (Banco Postal), Nuno Amado (BCP) e António Vieira Monteiro (Santander Totta). Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Transferências bancárias imediatas sim, mas com custos

Outros conteúdos GMG
Trump sugere à Apple que produza nos EUA e não na China