Túnel do Marão: Previsões apontavam para conclusão da escavação em fevereiro de 2012

A escavação do Túnel do Marão, inserido na autoestrada entre Amarante e Vila Real, deveria estar concluída em fevereiro de 2012, segundo previsões anunciadas há cerca de um ano pela concessionária da obra.

A construção da Autoestrada do Marão, que inclui o maior túnel rodoviário da Península Ibérica, começou no verão de 2009. A primeira previsão para a conclusão da obra apontava para o início deste ano.

Entretanto, duas providências cautelares interpostas pela empresa Águas do Marão obrigaram a duas paragens na escavação do túnel, num total de oito meses.

Em fevereiro de 2011, aquando de uma visita à obra do então primeiro-ministro, José Sócrates, o presidente do conselho de administração da Autoestrada do Marão, Francisco Silva, previa fazer a ligação entre as duas frentes no espaço de um ano, concluindo assim a parte de escavação.

Na altura, este responsável referiu ainda que o prazo de conclusão da obra apontava para novembro de 2012.

Em junho e pela terceira vez, os trabalhos foram suspensos. Atualmente, a construção desta autoestrada tem um atraso de 14 meses.

Em fevereiro do ano passado já tinham sido escavados cerca de metade dos 5,6 quilómetros, avançando a obra a uma média de 24 metros por dia no conjunto dos dois corredores.

Quando a obra estiver terminada, terão sido escavados 11.200 metros, correspondentes a cada um dos tubos em obra.

A escavação estava a ser feita através do método austríaco, que consiste em aproveitar o próprio maciço da rocha para fazer o túnel.

Ou seja, através de uma máquina de grandes dimensões e com três braços, denominada “Jumbo”, são feitas mais de cem perfurações onde são colocados os explosivos que, depois de rebentados, fazem com que a rocha fique automaticamente com a forma do túnel.

A Autoestrada do Marão vai juntar-se à Autoestrada Transmontana, entre Vila Real e Bragança, que permitirá reduzir a sinistralidade em 23 por cento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O antigo secretário de Estado da Energia e da Inovação, Henrique Gomes, fala perante a Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, na Assembleia da República em Lisboa, 23 de janeiro de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

CMEC. Henrique Gomes disse que “Mexia é osso duro de roer” e teve de sair da REN

Theresa May, PM britânica, cumprimenta Mark Rutte, PM holandês. Fotografia: REUTERS/Piroschka van de Wouw

Mais de 250 empresas do Reino Unido contactam Holanda por causa do Brexit

António Costa, primeiro-ministro, e Mário Centeno, ministro das Finanças, num debate parlamentar sobre o OE2019. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Universidade Católica prevê menos crescimento em 2018 e 2019

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Túnel do Marão: Previsões apontavam para conclusão da escavação em fevereiro de 2012