Turismo

Turismo a crescer no Norte atrai investimento na hotelaria de luxo

Foto: Paulo Jorge Magalhães / Global Imagens
Foto: Paulo Jorge Magalhães / Global Imagens

Novas unidades hoteleiras de quatro e cinco estrelas não chegam para tanta procura, num ano em que a região torna a bater recordes de turistas.

O Norte é a região onde as dormidas mais cresceram até maio, aumentando o recorde do ano passado: +15,5%, segundo o Instituto Nacional de Estatística, a um ritmo que é o triplo do de Lisboa (+5,4%). É também no Norte que mais aumentam os negócios: +19% de proveitos totais e +18,6% nos proveitos de aposento (maio). O Revpar (rendimento médio por quarto) subiu para 39,5€ e deverá continuar a aumentar, quando, em 2017 , ficarem prontas mais unidades de quatro e cinco estrelas. As que existem têm estado esgotadas, disseminando dormidas para lá da cidade do Porto ou do Douro, aumentando a estada e o preço médios, bem como a apreciação internacional do destino.

Maria do Carmo Barbosa, diretora do Carmo's Boutique Hotel, sempre atenta aos pormenores. Foto: Paulo Jorge Magalhães / Global Imagens

Maria do Carmo Barbosa, diretora do Carmo’s Boutique Hotel, sempre atenta aos pormenores.
Foto: Paulo Jorge Magalhães / Global Imagens

Discretamente implantado na Gemieira, freguesia de Ponte de Lima, o Carmo’s Boutique Hotel pertence à exclusiva rede Small Luxury Hotels of the World – é o único no Norte a ser nomeado para os The World Luxury Hotel Awards 2016. Mais importantes do que as cinco estrelas com que foi inaugurado, em 2012, é a pontuação de 8,8 no Booking ou de 4,5 no TripAdvisor. É assim que surgem os primeiros árabes, russos, norte-americanos e, cada vez mais, alemães e portugueses que passam palavra e repetem a estadia, a 250€ por noite.

Dormidas no Norte crescem ao triplo do ritmo da capital e negócios já aumentaram 20%

“O preço foi a decisão mais difícil que tomámos neste projeto”, confessa Maria do Carmo Barbosa, co-proprietária e diretora do hotel. “Mas foi uma escolha acertada, porque trabalhamos com operadores que não discutem preços e temos uma ocupação de 80% entre maio e outubro”, desvenda. Rentabilizar o investimento de três milhões de euros num hotel de luxo não ostensivo significa, para a empresária, uma preocupação constante com os pormenores que ditam o bem-estar dos hóspedes, desde o pequeno-almoço personalizado à oferta de programas na região, integrados com outras quintas produtoras de vinhos. Ou um batismo de cavalo com almoço, como propõe o renovado Restaurante Picadeiro, em Ponte de Lima.

Isabel Rego Pimenta confiou a cozinha d'O Picadeiro ao chef Rui Sousa. Foto: Paulo Jorge Magalhães / Global Imagens

Isabel Rego Pimenta confiou a cozinha d’O Picadeiro ao chef Rui Sousa.
Foto: Paulo Jorge Magalhães / Global Imagens

“Quisemos elevar o nível da boa culinária da região, do serviço e a qualidade de tudo o que vem para a mesa”, explica Isabel Rego Pimenta, responsável pela renovação do espaço que o TripAdvisor classifica de Excelente. “As redes sociais e trazem-nos imensos turistas”, confessa a advogada que investiu “dezenas de milhares de euros” para mudar a decoração, a cozinha e o pessoal. O chef Rui Sousa renovou a cozinha minhota sem a alterar dramaticamente, recuperando receitas antigas com um toque pessoal, como na “Paella da Terra de Bacalhau”.

A chef Ana Guimarães é responsável pelo “miminho” dos bombons caseiros no quarto e as bolachinhas caseiras sempre disponíveis na sala comum do Rinotel, em Caminha. O tratamento dos hóspedes pelo nome e a qualidade do serviço vale uma impressionante pontuação de 9,6 no Booking. E há quem vá embora a chorar. “Tivemos uns alemães que sairam daqui a chorar. Deixaram reserva feita para regressar em outubro”, conta a diretora, Liliana Cunha. Entre maio e setembro, mesmo a 200€ por noite, o hotel está frequentemente esgotado, ainda que a média de ocupação anual ronde apenas 35%. “É rentável”, assegura a diretora, sem desvendar pormenores.

Hotel RinoTerra Minho, em Seixas, Caminha, nasceu da paixão de um empresário russo pela região. Foto: Paulo Jorge Magalhães / Global Imagens

Hotel RinoTerra Minho, em Seixas, Caminha, nasceu da paixão de um empresário russo pela região.
Foto: Paulo Jorge Magalhães / Global Imagens

Inaugurado em 2014, após um investimento de 1,5 millhões, o Rinoterra já está a ser aumentado com bungallows e piscina coberta. Por detrás do negócio está a paixão pela região de um empresário dos transportes marítimos russo, Ilya Serbin. de 49 anos, a viver em Caminha. O empresário vai inaugurar, em 2017, outro empreendimento de um milhão em Vila Praia de Âncora e planeia um projeto de seis milhões em Arcos de Valdevez.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Biedronka

Polónia multa Jerónimo Martins em 26 milhões por práticas enganadoras nos preços

António Ramalho, CEO do Novo Banco. Fotografia: Tiago Petinga/Lusa

Novo Banco vendeu seguradora com desconto de 70% ‘coberto’ pela ajuda do Estado

Fotografia: D.R.

Novo Banco. GNB teve idoneidade verificada pelo regulador

Turismo a crescer no Norte atrai investimento na hotelaria de luxo