Turismo

Turismo em final de ciclo “pode não ser negativo”

Ilha de São Miguel, nos Açores, recebeu o congresso anual da Associação de Agências 
de Viagens neste ano.
(Gerardo Santos / Global Imagens)
Ilha de São Miguel, nos Açores, recebeu o congresso anual da Associação de Agências de Viagens neste ano. (Gerardo Santos / Global Imagens)

Neste ano pode vir a ser batido um novo recorde de turistas em Portugal. Mas até quando vai o setor continuar a crescer?

O ano passado foi de recordes para a hotelaria nacional: recebeu mais de 20,5 milhões de hóspedes. E neste ano o cenário está bem encaminhado. Só até setembro, ficaram na hotelaria lusa mais de 16,5 milhões de turistas – de acordo com os últimos dados do INE -, um valor ligeiramente acima do registado nos primeiros nove meses de 2017, e que permitem especular que este ano pode vir a ser ainda melhor. Mas será que este crescimento é sustentável?

O presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) não tem dúvidas de que o destino Portugal está a ir na direção de uma “atmosfera de fim de ciclo”. Não é algo, defende Pedro Costa Ferreira ao Dinheiro Vivo, inesperado ou necessariamente negativo. “Quando falamos de um final de ciclo não me parece que seja surpreendente ou que algo tenha falhado. E pode não ser negativo. Mas é impensável manter um ciclo de crescimento por dez anos – ainda por cima de crescimento agressivo [como o que registamos]. Este fim de ciclo pode ser positivo se for esmorecendo e criar um espaço de consolidação. Parece-me importante. Esses são os próximos tempos.”

As causas para este final de ciclo são sobretudo os travões ao crescimento que enfrentam os principais motores da aceleração dos últimos anos: o aeroporto de Lisboa – a principal porta de entrada no país – estará a atingir a sua capacidade máxima, as companhias aéreas low-cost estão a atingir quotas de mercado maduras não devendo ter margem para fortes crescimentos e o alojamento local enfrenta também limitações.

“Neste momento, temos um fator desagradável que não terá resolução no espaço de quatro anos: o aeroporto [Humberto Delgado]. A nossa dependência do transporte aéreo na atração de turistas é arrasadora e não ter a principal porta de entrada a poder crescer é, em si mesmo, arrasador. Dá-me a ideia de que temos de preocupar-nos com medidas de aumento do gasto por turista, uma vez que, por uns tempos, vamos ter mais dificuldade em crescer em número de turistas.”

Hóspedes e dormidas em Portugal por país de origem. Fonte: INE

Hóspedes e dormidas em Portugal por país de origem. Fonte: INE

Mas nem todos fazem este retrato do setor. Adolfo Mesquita Nunes nota que “Portugal teve anos de crescimento – em vários indicadores – de dois dígitos, num movimento que, como é evidente, não poderia manter-se num contexto em que os nossos principais concorrentes voltaram à carga e com preços muito competitivos”.

Depois de alguns anos de interrupção – provocada por várias causas, incluindo insegurança -, vários destinos no norte de África – como a Tunísia e o Egito – estão a voltar a captar muitos turistas estrangeiros, acabando por “roubar” alguns a Portugal. “A questão que se coloca quando falamos em fim de ciclo é: vamos voltar aos níveis de turismo que tínhamos antes do nosso crescimento ou, pelo contrário, vamos estabilizar nesta posição e continuar a crescer de forma sustentável.”

O antigo secretário de Estado do Turismo do governo de Pedro Passos Coelho não acredita que Portugal regresse aos níveis de turismo registados no início da década. Em 2013 a hotelaria nacional recebeu cerca de 14,3 milhões de pessoas (dados do INE) tendo dado um salto para os 17,3 milhões de turistas em 2015.

Leia aqui: Mesquita Nunes diz que nova lei do Alojamento Local é “desastrosa”

“Recuso a ideia de que Portugal vai voltar aos índices de turismo que tinha antes do seu crescimento e isso significa que aquilo que conquistámos nos últimos anos vamos manter e ainda vamos crescer mais do que isso. É também importante registar que o principal indicador para o qual temos de olhar é o das receitas. Com o mesmo número de dormidas que o ano passado estamos a ter receitas muito superiores, o que significa que estamos a qualificar a oferta.”

O Turismo de Portugal também não acredita que o país esteja a viver o fim de um ciclo. Luís Araújo não esconde que há mudanças e que o setor “todos os dias tem de se reinventar enquanto destino”, não só para fazer face aos mercados da bacia do Mediterrâneo mas também aos novos destinos que surgem e aos serviços e ofertas que outros vão apresentando.

“Percebo que se fale em fim de ciclo na perspetiva de ter havido um crescimento muito grande devido a uma série de fatores externos, mas muito devido também aos fatores internos e é disso que as pessoas não falam.” Os últimos anos dotaram o setor de uma “capacidade de receber, uma qualidade no atendimento, uma capacidade de ultrapassar a expectativa de quem nos visita que, muitas vezes, não reconhecemos e devíamos puxar mais por isso”.

Se, por um lado, há uma quebra no principal mercado emissor para Portugal – o Reino Unido -, a verdade é que há outros que estão a crescer, como é o caso do Brasil, Estados Unidos e Canadá.

“Tivemos em 2017 o dobro de notícias e artigos que tivemos em 2016 sobre o país. Neste ano, só em setembro, já tínhamos o mesmo número do que em 2017. Há uma curiosidade crescente sobre o país mas isso também é alimentado pela qualidade do produto e dos serviços”, disse Luís Araújo. Contudo, o momento não é de baixar os braços. É sim, acredita o líder do Turismo de Portugal, de apostar na qualificação dos recursos humanos no setor e também na fidelização dos turistas. “Temos de criar essa fidelização com os clientes.”

600 pessoas no congresso

Terminou neste sábado o 44.º Congresso Nacional da Associação das Agências de Viagens e Turismo (APAVT). Depois de o debate ter sido feito em Macau em 2017, neste ano o setor rumou à ilha açoriana de São Miguel para debater quais os desafios de crescimento que o setor enfrenta. Marcaram presença mais de 600 pessoas.

Durante os últimos três dias foram debatidas várias questões, nomeadamente em que fase o turismo em Portugal vai entrar, num momento em que o seu principal mercado emissor está em queda e a concorrência de destinos que estiveram adormecidos começa a surgir. O problema do aeroporto de Lisboa também não foi esquecido.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dos blueprints  dos primeiros automóveis, ao topo dos carros elétricos atuais, de elon Musk, em homenagem, a Nikolas Tesla.
Ilustração: VITOR HIGGS

Automóvel. Em 20 anos do euro mudou tudo, menos a carga fiscal e o líder

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços.
(Jorge Amaral/Global Imagens)

Vieira Lopes: “Metas do governo são realistas mas é preciso investimento”

A EDP, liderada por António Mexia, vai pagar o maior cheque de dividendos da bolsa nacional.

PSI20. Menos lucros mas o mesmo prémio aos acionistas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Turismo em final de ciclo “pode não ser negativo”