Turismo

Turistas chineses gastaram 130 milhões de euros em Portugal em 2017

Lisboa, 16/4/2017 - Um grupo de estudantes chineses a estudar no Reino Unido, junto à Torre de Belém. 
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)
Lisboa, 16/4/2017 - Um grupo de estudantes chineses a estudar no Reino Unido, junto à Torre de Belém. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Em 2017, o número de chineses que visitaram Portugal cresceu 40,7%, para 256.735. Abertura de voo direto terá ajudado este impulso.

Os turistas chineses gastaram 130 milhões de euros em Portugal, no ano passado, um crescimento homólogo de 40%, que está a despertar a atenção dos retalhistas portugueses, declarou fonte do Turismo de Portugal.

“É um número bastante apreciável e que contribui para a nossa balança de pagamentos de forma muito positiva”, disse à agência Lusa Luís Filipe Silva, vogal do conselho diretivo do Turismo de Portugal.

“O turista chinês, para além da cultura, património e gastronomia, valoriza bastante a experiência do ‘shopping'”, notou.

Filipe Silva falava à margem da feira de turismo ITB China, que terminou hoje em Xangai, a “capital” económica da China, e contou com quase 20 participantes de Portugal, incluindo do Freeport, cujos centros comerciais em Lisboa e Vila do Conde reúnem dezenas de marcas de luxo.

“É um mercado que estamos muito apostados em conquistar”, afirmou José Igreja, responsável pela promoção externa de turismo para o Freeport. “Os chineses são dos turistas com mais apetências para compras”, observou.

No caso do Freeport Lisboa Fashion Outlet, os chineses são já os terceiros maiores clientes, a seguir aos brasileiros e aos angolanos, levando a organização a adaptar-se para dar resposta.

“Temos atualmente funcionários que falam chinês e fomos os primeiros a disponibilizar pagamentos através do Unionpay [empresa chinesa líder em sistemas de pagamentos eletrónicos]”, explicou Igreja.

Em 2017, o número de chineses que visitaram Portugal cresceu 40,7%, para 256.735, segundo dados das autoridades portuguesas, que atribuem o aumento à abertura da ligação aérea direta entre a China e Portugal.

Nos primeiros seis meses desde a inauguração do voo, em 26 de julho passado, a taxa de ocupação foi superior a 80%, segundo fonte da companhia aérea chinesa Capital Airlines, responsável pela ligação aérea.

“É excecional”, comentou Filipe Silva. “O objetivo da companhia agora é aumentar a frequência do voo”, disse.

O voo tem atualmente três frequências por semana, entre a cidade de Hangzhou, na costa leste da China, e Lisboa, com paragem em Pequim.

A China é já o maior emissor mundial de turistas e, segundo dados do Governo chinês, 129 milhões de chineses viajaram para o estrangeiro em 2017, mais 5,7% do que no ano anterior.

A China é o país mais populoso do mundo, com cerca de 1.400 milhões de habitantes.

A Capital Airlines é uma das subsidiárias do grupo chinês HNA, acionista indireto da TAP, através do consórcio Atlantic Gateway e da companhia brasileira Azul.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Pedro Queiroz Pereira

Pedro Queiroz Pereira deixa império de mil milhões

Pedro Queiroz Pereira, presidente do conselho de administração da Semapa

Semapa: “Mais do que um património, PQP deixa força e deixa valores”

Outros conteúdos GMG
Turistas chineses gastaram 130 milhões de euros em Portugal em 2017