Turismo

Turistas chineses gastaram 130 milhões de euros em Portugal em 2017

Lisboa, 16/4/2017 - Um grupo de estudantes chineses a estudar no Reino Unido, junto à Torre de Belém. 
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)
Lisboa, 16/4/2017 - Um grupo de estudantes chineses a estudar no Reino Unido, junto à Torre de Belém. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Em 2017, o número de chineses que visitaram Portugal cresceu 40,7%, para 256.735. Abertura de voo direto terá ajudado este impulso.

Os turistas chineses gastaram 130 milhões de euros em Portugal, no ano passado, um crescimento homólogo de 40%, que está a despertar a atenção dos retalhistas portugueses, declarou fonte do Turismo de Portugal.

“É um número bastante apreciável e que contribui para a nossa balança de pagamentos de forma muito positiva”, disse à agência Lusa Luís Filipe Silva, vogal do conselho diretivo do Turismo de Portugal.

“O turista chinês, para além da cultura, património e gastronomia, valoriza bastante a experiência do ‘shopping'”, notou.

Filipe Silva falava à margem da feira de turismo ITB China, que terminou hoje em Xangai, a “capital” económica da China, e contou com quase 20 participantes de Portugal, incluindo do Freeport, cujos centros comerciais em Lisboa e Vila do Conde reúnem dezenas de marcas de luxo.

“É um mercado que estamos muito apostados em conquistar”, afirmou José Igreja, responsável pela promoção externa de turismo para o Freeport. “Os chineses são dos turistas com mais apetências para compras”, observou.

No caso do Freeport Lisboa Fashion Outlet, os chineses são já os terceiros maiores clientes, a seguir aos brasileiros e aos angolanos, levando a organização a adaptar-se para dar resposta.

“Temos atualmente funcionários que falam chinês e fomos os primeiros a disponibilizar pagamentos através do Unionpay [empresa chinesa líder em sistemas de pagamentos eletrónicos]”, explicou Igreja.

Em 2017, o número de chineses que visitaram Portugal cresceu 40,7%, para 256.735, segundo dados das autoridades portuguesas, que atribuem o aumento à abertura da ligação aérea direta entre a China e Portugal.

Nos primeiros seis meses desde a inauguração do voo, em 26 de julho passado, a taxa de ocupação foi superior a 80%, segundo fonte da companhia aérea chinesa Capital Airlines, responsável pela ligação aérea.

“É excecional”, comentou Filipe Silva. “O objetivo da companhia agora é aumentar a frequência do voo”, disse.

O voo tem atualmente três frequências por semana, entre a cidade de Hangzhou, na costa leste da China, e Lisboa, com paragem em Pequim.

A China é já o maior emissor mundial de turistas e, segundo dados do Governo chinês, 129 milhões de chineses viajaram para o estrangeiro em 2017, mais 5,7% do que no ano anterior.

A China é o país mais populoso do mundo, com cerca de 1.400 milhões de habitantes.

A Capital Airlines é uma das subsidiárias do grupo chinês HNA, acionista indireto da TAP, através do consórcio Atlantic Gateway e da companhia brasileira Azul.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Turistas chineses gastaram 130 milhões de euros em Portugal em 2017