Inovação

Turistas fazem disparar vendas de conservas portuguesas

A Loja das Conservas tem um restaurante para promover o consumo deste produto. Fotografia: Leonardo Negrão/Global Imagens
A Loja das Conservas tem um restaurante para promover o consumo deste produto. Fotografia: Leonardo Negrão/Global Imagens

Com o boom do turismo, as conserveiras reinventaram-se. Novos produtos, características gourmet e uma estética vintage conquistaram os estrangeiros

O interesse dos turistas franceses pelas conservas portuguesas é “tremendo”, mas este produto tradicional – todos os dias mais gourmet – também cativa italianos, espanhóis, ingleses e brasileiros. O caso da Conservas Portugal Norte ilustra bem a importância crescente das compras do turismo em Portugal: há cinco anos, as vendas rondavam os nove milhões de euros, com a exportação a valer 85%; em 2018, já contabilizou uma faturação de 13 milhões e o exterior já só pesou 75%. A Ramirez, a mais antiga indústria do setor em laboração, acaba de lançar uma loja online e, ainda na fase de testes, já recebeu encomendas de Itália.

Tatiana Faustino e Rodrigo Souza são os rostos luminosos da terceira geração da Conservas Portugal Norte. Com sangue na guelra apostaram na introdução de linhas de produtos gourmet, com um packing cuidado e vintage, seguindo o sabor da moda. Como sublinham, “a indústria é tradicional, mas não tem de ser arcaica”. A primeira aposta foi o lançamento da Porthos Vintage, em embalagem de madeira, que conheceu tal recetividade que, num mês, as paletas armazenadas esgotaram. A Porthos “é uma marca com mais de cem anos, muito reconhecida a nível internacional”.

A Conservas Portugal Norte vai um abrir um bistrô, em Matosinhos. Fotografia: Igor Martins/Global Imagens

A Conservas Portugal Norte vai um abrir um bistrô, em Matosinhos. Fotografia: Igor Martins/Global Imagens

Como afiançam, este lançamento abriu o apetite por produtos de qualidade superior, artesanais, nutritivos e naturais. Puseram mãos à obra e sob a marca Briosa lançaram uma versão gourmet, que hoje conta 24 referências e está sempre a crescer. São produtos como sardinhas sem pele e sem espinhas em azeite com limão e basílico, ou filetes de atum com azeite com cebola e louro. Tudo na tradicional lata retangular, envolvida em papel em que despontam azulejos portugueses.

Montra para o mundo
A Conservas Portugal Norte disponibiliza os seus produtos em mais de 400 pontos de venda no país, incluindo aeroportos. No entretanto, expandiram a matéria-prima, muito concentrada em sardinha, atum e cavala, e investiram em peixe-agulha, bacalhau, carapauzinhos. Em outubro passado, apresentaram a nova aposta. Ao baú foram buscar a Dama e introduziram a linha biológica, sem olvidar cuidados com a imagem e o packing.

A Loja das Conservas, com espaços em Lisboa e no Porto, é uma montra da indústria conserveira portuguesa que abriu portas em 2013 a pensar no mercado interno, conta João Reis, mentor do projeto. Mas Portugal estava a iniciar um ciclo de forte procura turística e pela porta começaram a entrar franceses, espanhóis, italianos… “O cliente internacional tem maior facilidade em reconhecer a qualidade das conservas portuguesas, tem o produto integrado na sua dieta”, explica João Reis.

O ano de 2014, primeiro completo do espaço de Lisboa, “foi excecional e verificámos que tínhamos dois segmentos de consumidores, os turistas e a classe média e média alta portuguesa”, frisa. Para o empresário, “o turismo acelerou bastante os volumes de vendas e permitiu às conserveiras desenvolver linhas sofisticadas, introduzir novas espécies, reforçar o cuidado com a imagem e investir mais em estruturas comerciais e de marketing.

A Ramirez investe 300 mil euros por ano em investigação e desenvolvimento. Fotografia: Igor Martins/Global Imagens

A Ramirez investe 300 mil euros por ano em investigação e desenvolvimento. Fotografia: Igor Martins/Global Imagens

A Ramirez não precisa de apresentações. Com vendas de 30 milhões (com as exportações a valerem 55%) e 15 marcas no ativo, a empresa tem investido todos os anos no lançamento de novas referências. Só em 2018 contabilizou 25. Como avança Manuel Ramirez, administrador, “a diversificação da produção trouxe valor acrescentado e diferenciação” face à forte concorrência mundial.

Nos últimos cinco anos, a Ramirez reforçou a marca centenária Cocagne, que tem na Bélgica o seu principal mercado, pegou na Renommée e criou uma linha de 25 referências novas e de olho posto no mercado francês recuperou a também centenária Berthe, que já conquistou o mercado de Paris. “Recebemos dois milhões de turistas franceses e isso deu publicidade às conservas portuguesas”, frisa o gestor. Mas o processo é demorado: “Temos há quatro anos um produto em desenvolvimento, que só agora irá para o mercado.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal  Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Mário Vaz. “Havendo frequências, em julho teríamos cidades 5G”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), durante a cerimónia militar do Instituto Pupilos do Exército (IPE), inserido nas comemorações do 108.º aniversário da instituição, em Lisboa, 23 de maio de 2019.  ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: “Quem não for votar, depois não venha dizer que se arrepende”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
Turistas fazem disparar vendas de conservas portuguesas