Inovação

U.Porto cria tecnologia sem fios para fornecer energia a pequenos satélites

Foto: D.R.
Foto: D.R.

O projeto tem a duração de três anos e é financiado em 2,3 milhões de euros por fundos europeus.

A Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) lidera um projeto que, financiado em 2,3 milhões de euros pela Comissão Europeia, visa desenvolver uma “tecnologia sem fios para fornecer energia a pequenos satélites”.

Em comunicado, a FCUP adianta que a tecnologia, desenvolvida no âmbito do projeto WIpTherm, vai fornecer energia aos pequenos satélites, designados de ‘CubeSats’, que são enviados para o espaço para capturar fotografias ou calcular a temperatura.

“Atualmente, os ‘CubeSats’ (…) são alimentados através da energia de painéis solares, o que faz com que não se possam deslocar em viagens no espaço profundo, nem estar muito longe do Sol. Outro inconveniente é ficarem mais pesados com a aplicação destes painéis”, explica a instituição.

Neste sentido, os investigadores vão “adicionar novas aplicações tecnológicas” para tornar estes satélites “mais leves”, autónomos e eficientes.

Citado no comunicado, André Pereira, docente da FCUP e o responsável pelo projeto, adianta que vai ser criado “um sistema de transferência de energia” e desenvolvido um “laser de longo alcance” por forma a carregar as baterias dos ‘CubeSats’.

“Este sistema de conversão de energia elétrica vai funcionar por sistemas imprimíveis e flexíveis”, refere o investigador do Instituto de Física dos Materiais da Universidade do Porto (U.Porto).

O projeto, que arrancou em novembro, tem a duração de três anos e é financiado em 2,3 milhões de euros pelo programa europeu FET-OPEN.

Além da FCUP, integram também o consórcio investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), do Centro de Nanotecnologia e Materiais Técnicos, Funcionais e Inteligentes (SENTI), da Universidade de Vigo (Espanha) e da Universidade de Limoges (França).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
(Joao Silva/ Global Imagens)

Preço das casas aumentou 1,7% em novembro

Kristalina Georgieva, diretora-geral do FMI. Fotografia: EPA/MICHAEL REYNOLDS

FMI corta crescimento dos maiores parceiros de Portugal: Espanha e Alemanha

Isabel dos Santos  EPA/TIAGO PETINGA

Isabel dos Santos: Angola escolheu um caminho em que “todos vão ficar a perder”

U.Porto cria tecnologia sem fios para fornecer energia a pequenos satélites