Metro de Lisboa

Utentes defendem que linha de metro circular é opção errada

Metro de Lisboa. (Orlando Almeida / Global Imagens)
Metro de Lisboa. (Orlando Almeida / Global Imagens)

A Comissão de Utentes defendeu que a ligação do Rato ao Cais do Sodré e uma linha circular "vai degradar" a oferta no norte da cidade.

A Comissão de Utentes de Transportes de Lisboa defendeu que a ligação de Metro do Rato ao Cais do Sodré e uma linha circular é uma opção “errada e vai degradar” a oferta no norte da cidade.

Ligar o Rato ao Cais do Sodré e criar uma linha circular a partir do Campo Grande, com as linhas Verde e Amarela, passando as restantes a funcionar como linhas radiais “é uma opção errada que irá ainda degradar mais a oferta às populações da Zona Norte de Lisboa”, assim como de Odivelas e Loures, refere um comunicado daquela comissão, apelando ao chumbo do projeto.

Está a decorrer até quarta-feira a consulta pública à avaliação de impacte ambiental ao projeto de prolongamento do Metropolitano de Lisboa, entre as estações do Rato (Linha Amarela) e do Cais do Sodré (Linha Verde), incluindo as novas ligações aos viadutos do Campo Grande.

O objetivo é obter uma linha circular a partir do Campo Grande com as linhas Verde e Amarela, passando as restantes linhas a funcionar como radiais – linha Amarela de Odivelas a Telheiras, linha Azul (Reboleira – Santa Apolónia) e linha Vermelha (S. Sebastião – Aeroporto).

No seu contributo para a consulta pública, promovida pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), a comissão de utentes transmite preocupação com a futura “degradação da oferta” às populações da zona norte de Lisboa, nas estações da Ameixoeira, Lumiar, Quinta das Conchas e Telheiras, que serão obrigadas a mudar de linha no Campo Grande para aceder ao centro da Cidade, tal como aos habitantes em Odivelas e Loures.

Esta alteração à rede do Metro, especifica, também prejudica as populações de outras zonas da cidade, como Benfica, S. Domingos de Benfica, Carnide ou Olivais e Marvila, “uma vez que o projeto visa concentrar meios – materiais e humanos — na linha circular, desinvestindo nas futuras linhas radiais”.

A comissão salienta ainda que, com o novo projeto, “adia-se o prolongamento da rede para as zonas da cidade onde esta faz mais falta — zona ocidental de Lisboa e o prolongamento até Loures”.

Para a organização que representa os utentes, é urgente o investimento nos transportes públicos, devendo o Metropolitano de Lisboa ter em conta a expansão da rede a Alcântara e Loures e a aposta em trabalhadores e equipamento “para repor e alargar a fiabilidade, quantidade e qualidade da oferta”.

Defende “a crescente utilização dos transportes públicos, com os consequentes ganhos ambientais, económicos e sociais, através de uma política de preços atrativa, do reforço da fiabilidade e qualidade do serviço e de uma oferta adequada às necessidades”, nomeadamente da parte do Metropolitano de Lisboa.

A comissão salienta ainda não ter encontrado “resposta à necessidade de reverter a profunda degradação da qualidade e fiabilidade do serviço sentida nos últimos anos”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Mário Cruz/ Lusa)

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas” à CGD

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Reclamações. Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

Paulo Macedo, presidente da CGD

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Utentes defendem que linha de metro circular é opção errada