transportes

Utentes nos comboios urbanos disparam 16% com novos passes

(Carlos Costa/Global Imagens)
(Carlos Costa/Global Imagens)

38,8 milhões de pessoas utilizaram os comboios suburbanos no segundo trimestre, mais 16,2 do que no mesmo trimestre do ano passado, segundo o INE.

É o efeito dos novos passes de transportes: os passageiros nos comboios suburbanos de Portugal aumentaram 16,2% no segundo trimestre, em comparação com o mesmo período de 2018. Os dados preliminares foram divulgados esta quinta-feira pelo INE – Instituto Nacional de Estatística. Desde 1 de abril, os utentes pagam menos pelos transportes em Portugal, com a entrada em vigor do programa de apoio à redução tarifária.

Entre abril e junho, os comboios suburbanos de Lisboa e Porto transportaram um total de 38,778 milhões de passageiros, o que compara com os 33,377 milhões de utentes que utilizaram este serviço no mesmo período de 2018.

Quer CP quer Fertagus – a concessionária dos comboios da ponte 25 de abril – já tinham dado sinal do aumento de passageiros nos comboios com a introdução dos novos passes de transportes.

No caso da CP, mesmo partindo de uma base semestral e não trimestral, os comboios suburbanos de Lisboa foram os que registaram maior aumento de passageiros: mais 8,4% até junho deste ano do no período homólogo de 2018; nos urbanos do Porto, o crescimento foi mais modesto: 5%.

Na Fertagus, a administradora delegada da empresa, Cristina Dourado, já tinha admitido um aumento de 20% dos passageiros no segundo trimestre, em entrevista ao jornal Público.

O INE, ainda assim, assinala: “A comparação com os resultados dos trimestres anteriores deve revestir-se de alguma prudência visto que as estimativas preliminares do transporte ferroviário suburbano de passageiros para o 2º trimestre reportadas ao INE pelas empresas operadoras, em consequência da introdução do novo sistema de passes nas áreas metropolitanas do Porto e de Lisboa, resultaram de processos de contagem diferentes dos anteriormente adotados.”

No total, houve 43,113 milhões de pessoas a utilizar comboios no segundo trimestre, mais 14,9% face ao mesmo período de 2018. Nos comboios regionais e de longo curso, o aumento de passageiros foi de 4,2%, para 4,267 milhões; os comboios internacionais foram utilizados por 67,6 mil passageiros, mais 4,1% do que em 2018.

Mais passageiros nos aeroportos

De abril a junho verificou-se uma “ligeira aceleração” do movimento de passageiros nos aeroportos nacionais, com um crescimento de 7,8% (embarques, desembarques e trânsitos diretos), acima da variação de +6,2% no primeiro trimestre, para um movimento total de 16,7 milhões de passageiros.

O aeroporto de Lisboa movimentou 8,4 milhões de passageiros (metade do movimento total), registando um aumento homólogo de 8,5% (+4,2% no segundo trimestre), enquanto o aeroporto do Porto correspondeu a 21,2% do total nacional e registou “o maior crescimento entre os principais aeroportos”, ao progredir 10,4% (+9,5% no primeiro trimestre) para 3,5 milhões de passageiros.

O movimento de passageiros em Faro ascendeu a 3,0 milhões (17,7% do total), abrandando para um crescimento de 5% face aos 12,3% do trimestre precedente. O movimento de passageiros nos aeroportos do Funchal (quota de 5,1%) e Ponta Delgada (3,4% do total) registou aumentos de 0,7% e 8,9% (+4,1% e +6,7% no primeiro trimestre, respetivamente).

De acordo com o INE, no primeiro trimestre contabilizaram-se 62,8 mil aterragens de aeronaves em voos comerciais nos aeroportos nacionais (+3,5%, tal como no trimestre precedente), com acréscimos de 4,1% no Continente e de 4,8% nos Açores e um decréscimo de 5,9% na Madeira.

Metros crescem

No segundo trimestre o transporte por metropolitano “manteve o andamento positivo que se verifica desde 2014”, acelerando para 8,5% face aos 6,1% do trimestre anterior para um total de 68,2 milhões de passageiros transportados (46,1 milhões no Metro de Lisboa e 18,1 milhões no Metro do Porto).

Também o transporte fluvial (nacional e internacional) de passageiros continuou a aumentar, com 5,5 milhões de passageiros e um aumento homólogo de 8,3% (+12,6% no primeiro trimestre) de abril a junho, representando o transporte de passageiros no rio Tejo 87,3% do total (+7,9%, +12,6% no trimestre anterior).

No que se refere ao transporte de mercadorias, no segundo trimestre apenas os movimentos por via aérea registaram uma evolução positiva, como um total de 51,5 mil toneladas (+9,1%, +5,4% no trimestre anterior).

Já os portos marítimos nacionais registaram decréscimos no número (-4,4%) e na dimensão/GT (-6,0%) das embarcações entradas, após subidas de 2,4% e 12,0%, respetivamente, no trimestre anterior, tendo as mercadorias movimentadas totalizado 21,9 milhões de toneladas, recuando 8,1% (+2,9% no trimestre precedente).

Quanto ao transporte ferroviário de mercadorias, o INE aponta uma redução de 16,2% nas toneladas transportadas, “mais pronunciada” que no trimestre anterior (-3,0%), e um recuo de 12,3% nas toneladas por quilómetro (+12,2% no primeiro trimestre).

Em quebra, de 2,8% (+0,7% no trimestre anterior), esteve também o transporte rodoviário de mercadorias, penalizado pelo transporte internacional (-19,8%; -10,3% no primeiro trimestre), já que no transporte nacional (que representou 85,8% do total em toneladas) se registou um crescimento ligeiro de 0,8% (desacelerando face aos +3,1% do trimestre anterior).

(Notícia atualizada pela última vez às 12h29 com mais informação)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Assembleia da República. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Gestores elegem medidas para o novo governo

TVI

Cofina avança com OPA sobre 100% da Media Capital por 180 milhões

Entrevista DV/TSF com secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho.
Fotografia: PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Ana M. Godinho: “É preciso um compromisso de valorização e subida de salários”

Outros conteúdos GMG
Utentes nos comboios urbanos disparam 16% com novos passes