Indústria

Vaping. Japonesa dona da Camel chega em novembro com cigarros eletrónicos

Logic Compact Slate pink 02

Portugal é um dos 10 países europeus onde a Japan Tobacco International vai começar a vender a Logic Compact já em novembro.

Em cerca de dois meses é o segundo anúncio de entrada de produtos de cigarros eletrónicos (vaping) no mercado nacional. Depois de em setembro a americana Juul ter anunciado a entrada em Portugal, é agora a vez da Japan Tobacco International (JTI), a dona da Camel, anunciar a comercialização da Logic Compact. Chega a 4 de novembro, a Lisboa e Porto, e a partir do próximo ano ao resto do país.

Uma chegada para “garantir que temos mais 20 anos de sucesso em Portugal”, acredita Yanick Girault, country manager da JTI Portugal, num encontro com jornalistas. A tabaqueira está há 20 anos em Portugal, com marcas como a Winston ou a Silk Cut, e tem vindo a investir nos cigarros eletrónicos, categoria onde já injetou mil milhões de dólares e pretende investir outro tanto até ao próximo ano, refere o responsável da empresa em Portugal.

De uma quota de 10% em Portugal em 2007, a JTI Portugal estima fechar o ano com uma fatia de 17% do mercado global de tabaco. Com a entrada da Logic Compact inaugura uma nova categoria de produto no mercado nacional: o vaping.

O Logic Compact está presente em 22 mercados, sendo Portugal um dos 10 países europeus onde o produto começa a ser comercializado no início de novembro, depois avança para Espanha e Canárias, adianta o country manager da empresa ao Dinheiro Vivo à margem do encontro. “É uma categoria pequena, mas muito estratégica para o nosso futuro”, destaca.

Globalmente, o vaping representa 4% das vendas das tabaqueiras, mas em mercados como Japão, EUA ou Reino Unido esse tipo de consumo já representa 25%. O ano passado já representou 25 milhões de vendas, mas estimativas apontam que em 2025 poderá gerar vendas de 100 milhões, refere Yanick Girault.

Em Portugal, querem ser líderes nesta categoria. E para contrariar a concorrência, neste momento restrita à Juul, apostam no que dizem ser “um design único, sabores exclusivos e simplicidade no uso do produto”.

Avançam com duas gamas de dispositivos (cinzento e rosa), que carrega em 75 minutos a bateria, e com um recarga incluída – opção tomada para o mercado nacional para posicionar o preço nos 19,90 euros – e recargas com sabores de tabaco e mental com (12mg/ml e 18 mg/ml de nicotina), morango, bagas e hortelão (12mg/ml de nicotina) com um preço de 2,95 euros para as primeiras 35 mil unidades, dois meses depois, estimam, o preço deverá subir para 3,5 euros. Os líquidos com sabores, garante são totalmente controlado pela empresa, e produzidos na fábrica do grupo na Polónia.

“Queremos só falar com os fumadores. Não vamos falar com todos os consumidores”, assegura.

O Logic Compact começa a ser comercializado a partir de 4 de novembro em Lisboa e Porto, em mil pontos de venda, expandindo no ano seguinte ao resto do país, a mais de 4 mil pontos de venda, a mesma rede retalhista onde a companhia coloca os cigarros e tabaco de enrolar.

Na mesma rede a JTI Portugal vai colocar pontos de recolha para as recargas, produzidas em plástico e metal. “Na primeira semana de comercialização vai haver nove pontos de recolha em Lisboa, mas estamos a negociar com a SEUR (que vai fazer a recolha das recargas vazias para reciclagem) a expansão dos pontos de recolha”, adiantou o responsável ao Dinheiro Vivo. Nos pontos de venda a empresa pretende fazer comunicação estimulando a entrega das recargas para reciclagem.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Novo Banco prevê redução de 1,7 mil milhões de malparado em 2020

Sede do Novo Banco, ex-BES, na Avenida da Liberdade.
(Ângelo Lucasl / Global Imagens )

Novo Banco não afasta que possa vir a pedir mais capital ao Fundo de Resolução

Vaping. Japonesa dona da Camel chega em novembro com cigarros eletrónicos