mercado automóvel

Vendas de carros descem 71,6% em maio

(Fotografia: Pedro Granadeiro / Global Imagens )
(Fotografia: Pedro Granadeiro / Global Imagens )

Venderam-se menos de 6000 automóveis ligeiros no último mês apesar de os concessionários terem reaberto. Mercedes liderou vendas.

As vendas de automóveis caíram 71,6% em maio, para um total de 7579 unidades. Apesar de os concessionários terem voltado a abrir portas logo em 4 de maio, essa medida foi insuficiente para travar a forte quebra de procura por veículos novos, segundo os dados revelados esta segunda-feira pela ACAP – Associação Automóvel de Portugal.

A ACAP afirma mesmo que o setor automóvel “é um dos dos mais afetados” pela crise pandémica: além da forte descida de vendas, há ainda um “elevado número de trabalhadores em lay-off”, segundo a nota de imprensa.

Os veículos ligeiros de passageiros sofreram uma quebra de 74,7%, para 5741 unidades. No mesmo mês de 2019, tinham sido matriculadas 22 724 unidades deste tipo de automóveis. A Mercedes liderou as vendas de carros ligeiros em maio, com 756 unidades, seguida da Renault (601 unidades) e da Peugeot (576 unidades).

Apesar disso, a Renault continua a liderar as matrículas de automóveis em Portugal: desde o início do ano já vendeu 6239 unidades (-54,8% face ao mesmo período do ano passado).

Nos ligeiros de mercadorias, a quebra de vendas foi menos acentuada: registaram-se 1691 unidades, menos 51,3% face ao período homólogo de 2019.

Nos veículos pesados, a quebra é de 68,5%, para 147 unidades.

Maio foi o terceiro mês consecutivo em que as vendas de automóveis foram fortemente travadas pelos impactos do novo coronavírus. Em março, as matrículas caíram 56,6%; em abril, o mercado automóvel nacional recuou 84,6%, superando o registo negativo de fevereiro de 2012, em pleno período da troika.

(Notícia atualizada às 16h17 com mais informação)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

Vendas de carros descem 71,6% em maio