retalho

Vendas de dona do Intermarché aumentaram 10% em 2018

D.R.
D.R.

Grupo Os Mosqueteiros vai abrir mais cerca de 100 espaços em Portugal até 2023.

As vendas de Os Mosqueteiros subiram 10% no ano passado, face a 2017, para 2,2 mil milhões de euros, anunciou esta segunda-feira o grupo, que prevê a abertura de “uma centena de novos pontos de venda” no mercado português.

“O grupo Os Mosqueteiros encerrou 2018 com um volume de negócios global de 2,2 mil milhões de euros, um crescimento de 10% em relação ao ano anterior”, refere a empresa em comunicado, adiantando que em Portugal conta com “320 pontos de venda que representam três insígnias: Intermarché, Bricomarché e centros auto Roady”.

Para este ano, em que comemora o 28.º aniversário em Portugal, o grupo “traçou como meta o aumento contínuo do parque de lojas, uma estratégia transversal às três insígnias presentes no país”, acrescenta.

“A estratégia, integrada num plano de expansão até 2023, prevê a abertura de cerca de uma centena de novos pontos de venda, o que constitui uma oportunidade para os empreendedores e investidores portugueses que pretendem criar o seu próprio negócio”, salienta.

No final do ano passado, o grupo contava com 249 empresários e uma superfície comercial de cerca de 400 mil metros quadrados.

“Num setor altamente concorrencial, as três insígnias conseguiram não só alicerçar os seus negócios como no conjunto cresceram a dois dígitos. Mantemos, por isso, a ambição de alargar continuamente o nosso parque de lojas até 2023, o que irá contribuir para consolidar a nossa dimensão e representatividade em Portugal”, afirma o presidente do grupo Os Mosqueteiros, Laurent Boutbien, citado em comunicado.

Além disso, permitirá também “reforçar a iniciativa empresarial, a economia e o emprego local”, acrescenta o gestor, apontando que atualmente o grupo “emprega cerca de 14 mil colaboradores em Portugal”.

O capital necessário para abrir uma loja do grupo varia consoante a insígnia, mas ronda entre os 75 mil e os 200 mil euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Teste - Redação DV

Liberdade e sustentabilidade dos media, com ou sem apoio do governo?

Regime dos residentes não habituais garante isenção de IRS a quem recebe pensões do estrangeiro.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Primeiros 18 residentes não habituais prestes a perder benefício

Salvador de Mello, CEO do grupo CUF (Artur Machado/Global Imagens)

CUF vai formar alunos médicos de universidade pública

Outros conteúdos GMG
Vendas de dona do Intermarché aumentaram 10% em 2018