Prémio Inovação NOS

Ver e mandar fazer móveis com um clique

A carregar player...

Interface virtual permite visualizar em 3D móveis idealizados, saber quanto custam e enviar a encomenda para a fábrica.

Imagine chegar a uma loja, configurar a sua cozinha nova e visualizar logo, numa imagem 3D computorizada, como irá ficar na sua habitação. Fica, ainda, a saber o orçamento e, se fizer a encomenda, vê as informações serem enviadas de imediato, com um click, para a fábrica, dando início ao processo de construção dos móveis personalizados que idealizou. Esta é uma das funcionalidades do ISSHO 3D, uma interface virtual que permite desenhar em três dimensões qualquer produto. O sistema foi criado pela ISSHO Technology, uma startup de Braga que chegou à fase final do Prémio Inovação NOS, e está a conquistar os produtores de mobiliário dentro e fora de Portugal.

“A integração de todo o processo, desde a venda à produção, a versatilidade dos produtos que é possível configurar e uma solução baseada na web para facilitar o acesso em qualquer altura”, são as grandes características que distinguem este produto do que já existe no mercado, explica André Sousa, o engenheiro de minas de 36 anos que, juntamente com Mauro Reggla, criou o negócio em 2013. Naquela altura, a intenção dos empreendedores era ganharem espaço no mercado do imobiliário, onde Mauro tinha larga experiência. Mas depressa perceberam que o momento não era o ideal e redirecionaram a ideia para o mobiliário.

Aproveitaram um motor gráfico existente e avançaram para o aperfeiçoamento do seu software. “Decidimos criar uma ferramenta que permitisse a um fabricante de mobiliário rapidamente desenhar, alterar e configurar os produtos que fabrica, ao mesmo tempo que gerasse um orçamento e uma imagem realista para que o cliente pudesse ver como iria ficar e quanto iria custar. Se a encomenda se concretizar, o software gera toda a informação para fabricação”, concretiza André Sousa. O processo integrado de pedidos personalizados permite “poupar tempo e evitar erros”.

O sistema, sublinha ainda o empresário, é versátil e permite “trabalhar qualquer tipo de design, desde mobiliário clássico a contemporâneo, cozinhas e outras peças”, que podem até ser virtualmente colocadas em cenários, como a habitação dos clientes dos produtores de mobiliário à medida, para que estes visualizem como ficará no seu ambiente.

A ISSHO, que conta atualmente com sete colaboradores, tem tido um crescimento exponencial. O esforço de arranque foi feito com capital próprio dos fundadores e o dinheiro das vendas foi sendo investido no crescimento da empresa, num valor que ronda já os 500 mil euros.

Nos primeiros quatro anos a empresa tem tido um crescimento do volume de vendas “de quase 200% ao ano” e assim deverá continuar. Neste ano, no primeiro semestre, arrecadaram “cerca de 300 mil euros de receita”, desvenda André Sousa.

No ano passado, a ISSHO começou o processo de internacionalização, aproveitando apoios comunitários. Atualmente tem clientes em Portugal e em França e pretende avançar para o mercado espanhol.

O sistema ISSHO permite, para além de mobiliário, muitas outras funcionalidades, pelo que os empreendedores acreditam que a empresa irá continuar a expandir-se.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ensino profissional é uma das áreas em que Portugal se posiciona pior na tabela do IMD World Talent Ranking 2019. Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal é 23º no ranking mundial de talento. Caiu seis posições

O ensino profissional é uma das áreas em que Portugal se posiciona pior na tabela do IMD World Talent Ranking 2019. Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal é 23º no ranking mundial de talento. Caiu seis posições

NUNO VEIGA / LUSA

Governo apresentou queixa contra 21 pedreiras em incumprimento

Outros conteúdos GMG
Ver e mandar fazer móveis com um clique