internacionalização

Vinhos portugueses com mercado na China mas é preciso paciência

Os vinhos portugueses estão a ganhar espaço no mercado chinês, defende Thomas Costenoble, diretor do concurso de vinhos Concours Mondial de Bruxelles.

Os vinhos portugueses estão a ganhar espaço no mercado chinês, afirmou à Lusa Thomas Costenoble, diretor do concurso de vinhos Concours Mondial de Bruxelles (CMB), cuja última edição decorreu este ano em Pequim.

Thomas Costenoble ressalva para vencer na China é necessário “paciência” e “promover” a marca.

“Portugal é um dos países que começa a ganhar espaço no dia-a-dia dos consumidores chineses”, disse à agência Lusa Costenoble, à margem da 25.ª edição do CMB, evento que trouxe a Pequim 9.080 vinhos, oriundos de 48 países.

Na lista dos países europeus que em 2017 exportaram mais vinho para a China, encabeçada pela França, Portugal ficou no 4.º lugar, atrás de Espanha e Itália, segundo dados do centro de pequenas e médias empresas da União Europeia. A nível mundial, Portugal surge no 9.º lugar, logo a seguir à Nova Zelândia.

A mesma fonte detalha que, no ano passado, o país asiático comprou mais de 18 milhões de euros de vinho português, representando 2,6% em volume e 2,5% em valor das exportações nacionais do setor.

Thomas Costenoble lembrou, contudo, que Portugal enfrenta vários concorrentes no mercado chinês: “Devido a acordos bilaterais, proximidade, e às próprias características dos vinhos, o Chile, a Austrália e a Nova Zelândia têm posicionamentos muito fortes”.

E explicou que “uma das grandes dificuldades para os europeus, é a falta de tempo e de paciência”.

“Para vencer na China, é preciso criar relações humanas e despender tempo, antes de conseguir dar um passo e fazer negócio”, afirmou.

O especialista apontou o caso da marca de vinhos espanhola Miguel Torres, cujas campanhas no país asiático “posicionaram” os vinhos de Espanha.

“São precisos meios de difusão e de transmissão para o fazer”, notou.

A realização do CMB, este ano, em Pequim, foi uma estreia na Ásia, e ilustra a crescente importância do mercado chinês para o setor.

Segundo a Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), a China é já o quinto país em termos de consumo absoluto de vinho, a seguir aos Estados Unidos, França, Itália e Alemanha.

“O vinho hoje em dia [na China] já não é apenas comprado para oferecer ou misturado com bebidas doces, como era há 10 anos, mas sim para consumo mais regular e apreciador”, notou Thomas Costenoble, que considerou que existe uma “verdadeira estratégia” e “vontade política” no país asiático para impulsionar o setor, por motivos “económicos, ambientais e de saúde pública”.

“O governo quer diminuir o consumo do álcool e, por isso, tem de trazer outras soluções para os consumidores”, explicou.

O teor alcoólico da aguardente de arroz ‘baijiu’, a bebida alcoólica tradicional na China, chega a superar os 60%. O vinho, tinto ou branco, está entre os 11% e 14%.

Por outo lado, “ao promover o desenvolvimento da indústria vitícola, a China consegue repovoar regiões que estavam praticamente desertas, devido ao abandono de algumas indústrias, nomeadamente a mineração, como é o exemplo da Mongólia interior [noroeste do país]”, afirmou Costenoble.

De acordo com a OIV, a vinha chinesa aumentou 17.000 hectares, entre 2015 e 2016, para 847.000 hectares, convertendo-se no segundo país com maior área vinícola do mundo, a seguir a Espanha.

No Concours Mondial de Bruxelles, que decorreu entre 10 e 13 de maio, os vinhos de Portugal arrecadaram 324 medalhas, incluindo 17 de Grande Ouro e 115 de Ouro.

A edição do próximo ano do CMB terá lugar em Aigle, na Suíça.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes. MÁRIO CRUZ/LUSA

Famílias ficam com um pouco mais de salário ao final do mês

Miguel Almeida, CEO da NOS

Comité de Ética da NOS vai ouvir os administradores envolvidos no Luanda Leaks

O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, discursa durante a cerimónia de tomada de posse do XXII Governo Constitucional, liderado pelo secretário-geral do Partido Socialista (PS), António Costa, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 26 de outubro de 2019. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: É bem-vindo a Portugal todo o investimento no respeito da legalidade

Vinhos portugueses com mercado na China mas é preciso paciência