Indústria

Vista Alegre decide aumento de capital até 17,4 milhões

O grupo Visabeira quer diminuir a sua participação na Vista Alegre para 70%. Fotografia: D.R.
O grupo Visabeira quer diminuir a sua participação na Vista Alegre para 70%. Fotografia: D.R.

O grupo Visabeira, que detém a maioria do capital da Vista Alegre, pretende aumentar o free float da empresa de porcelanas

Os acionistas da Vista Alegre vão reunir, em assembleia-geral extraordinária, para deliberar sobre um aumento de capital até 17,4 milhões de euros.

A reunião de hoje tem três pontos na ordem de trabalhos, sendo que o principal é “deliberar sobre a autorização a conferir ao conselho de administração para aumentar o capital social” da Vista Alegre Atlantis (VAA), “num montante global de 17.418.188,00 euros”, de acordo com a marca de cristal e porcelana.

Esta operação será efetuada “no âmbito de oferta pública e/ou institucional de subscrição de ações ordinárias com vista ao incremento da dispersão do capital da sociedade e à otimização de fontes de financiamento da estratégia da VAA e, consequentemente, sobre alteração dos estatutos da sociedade, adiantando o número dois ao seu artigo 5.º”, lê-se no comunicado da convocatória.

“No contexto da reorganização do grupo Vista Alegre que tem vindo a ser levada a cabo, o conselho de administração tem vindo a ponderar o interesse da VAA em alargar a sua base de acionistas e incrementar a respetiva dispersão de capital em bolsa, assim como as alternativas mais vantajosas de financiamento da estratégia da sociedade”, adiantou o grupo, numa exposição sobre as propostas que serão votadas na assembleia-geral de hoje.

Em cima da mesa está a “subscrição de até 21.772.735 de ações ordinárias, com o valor nominal de 0,80 euros cada, que representarão até 12,5% do capital social da VAA, num montante global máximo de aumento de 17.418.188,00 euros”, explica o grupo.

Se o primeiro ponto for aprovado, os acionistas terão de aprovar a supressão do “direito de preferência dos acionistas na subscrição do aumento de capital que venha a ser deliberado pelo Conselho de Administração até 31 de maio de 2019”.

Também ainda hoje será eleito um vogal do Conselho de Administração “para o mandato em curso, passando este órgão a ser composto por 11 membros”, adiantou a VAA. O novo elemento, Teodorico Figueiredo Pais, foi proposto pelo acionista Visabeira, que detém a Vista Alegre.

No início deste mês, a Visabeira anunciou que pretende aumentar o capital da VAA através da emissão de 21,77 milhões de novas ações, de forma a reforçar o capital disperso em bolsa (‘free float’) para os 25%.

O grupo Visabeira verá, com esta operação, a sua participação diminuir para 70% (dos atuais 94,14%), mas conforme explicou em comunicado ao mercado, beneficiará deste reforço de dispersão, com o alargamento da sua base acionista e, consequentemente, de uma maior liquidez das ações da Vista Alegre, “reforçando a sua atratividade perante potenciais investidores”.

O ‘free float’ da Vista Alegre ronda, atualmente, os 2,5% de acordo com a informação disponível no ‘site’ da empresa.

O CaixaBI e o Millennium Investment Banking serão os parceiros financeiros na operação.

De acordo com as contas divulgadas pela empresa no final de agosto, o lucro da Vista Alegre subiu 41% no primeiro semestre, face a igual período de 2017, para 1,9 milhões de euros.

O resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) cresceu 11% para sete milhões de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Vista Alegre decide aumento de capital até 17,4 milhões