aviação

Voar com subscrição? Wizz Air prepara passe mensal

Wizz Air é uma companhia aérea húngara
Wizz Air é uma companhia aérea húngara

Companhia low-cost estará a criar uma ferramenta de fidelização que repete para o ar aquilo que já existe para os transportes terrestres

Assinar um passe mensal e andar quantas vezes se quiser. O sistema, que é utilizado por todo o mundo para transportes terrestres e fluviais, parece estar a ganhar asas: a Wizz Air, companhia aérea húngara estará a fechar um sistema de subscrição de viagens mensal que permitirá aos clientes voar as vezes que quiserem.

O valor da subscrição mensal não é, para já, conhecido mas o website de viagens Fly4free, que está a avançar a notícia, refere que a ferramenta está a ser estudada como forma de aumentar a frequência e a fidelização dos passageiros depois do aumento dos preços no serviço Wizz Discount Club e nas taxas de bagagem terem tido um impacto negativo nestes números.

O Simple Flying assume que a passagem das subscrições mensais para o serviço aéreo parece ser um passo natural, numa altura em que este tipo de serviço se alastra a vários setores. “Do cinema à mercearia, as pessoas adoram pagar mensalmente por algo que utilizam com regularidade”.

O site especializado em aviação destaca que o passe de viagens aéreas poderá ser mensal mas menciona também a possibilidade de vir a existir um serviço anual, que possa apresentar um ligeiro desconto face ao valor unitário das viagens, mantendo uma taxa adicional para bagagem ou escolha de assento.

É esperada a imposição de restrições para determinadas rotas e períodos de reserva, de acordo com a época alta ou baixa.

Ao Fly4Free, que deu a notícia, a companhia não afastou os rumores mas esclareceu que “os novos serviços serão anunciados na devida altura”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus portugal antonio costa

Proibidos ajuntamentos com mais de cinco pessoas. Aeroportos encerrados

Trabalhadoras de um restaurante atendem clientes em regime de take-away, devido à pandemia de covid-19, em Lisboa. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Restaurantes podem obrigar trabalhadores a entregar comida

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

Voar com subscrição? Wizz Air prepara passe mensal