aviação

Voar com subscrição? Wizz Air prepara passe mensal

Wizz Air é uma companhia aérea húngara
Wizz Air é uma companhia aérea húngara

Companhia low-cost estará a criar uma ferramenta de fidelização que repete para o ar aquilo que já existe para os transportes terrestres

Assinar um passe mensal e andar quantas vezes se quiser. O sistema, que é utilizado por todo o mundo para transportes terrestres e fluviais, parece estar a ganhar asas: a Wizz Air, companhia aérea húngara estará a fechar um sistema de subscrição de viagens mensal que permitirá aos clientes voar as vezes que quiserem.

O valor da subscrição mensal não é, para já, conhecido mas o website de viagens Fly4free, que está a avançar a notícia, refere que a ferramenta está a ser estudada como forma de aumentar a frequência e a fidelização dos passageiros depois do aumento dos preços no serviço Wizz Discount Club e nas taxas de bagagem terem tido um impacto negativo nestes números.

O Simple Flying assume que a passagem das subscrições mensais para o serviço aéreo parece ser um passo natural, numa altura em que este tipo de serviço se alastra a vários setores. “Do cinema à mercearia, as pessoas adoram pagar mensalmente por algo que utilizam com regularidade”.

O site especializado em aviação destaca que o passe de viagens aéreas poderá ser mensal mas menciona também a possibilidade de vir a existir um serviço anual, que possa apresentar um ligeiro desconto face ao valor unitário das viagens, mantendo uma taxa adicional para bagagem ou escolha de assento.

É esperada a imposição de restrições para determinadas rotas e períodos de reserva, de acordo com a época alta ou baixa.

Ao Fly4Free, que deu a notícia, a companhia não afastou os rumores mas esclareceu que “os novos serviços serão anunciados na devida altura”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

Voar com subscrição? Wizz Air prepara passe mensal