Escândalo das emissões

VW vai pagar mil milhões de multa na Alemanha devido a escândalo de emissões

Wolfsburgo é a cidade-sede da Volkswagen. Fotografia: EPA/SEBASTIAN GOLLNOW
Wolfsburgo é a cidade-sede da Volkswagen. Fotografia: EPA/SEBASTIAN GOLLNOW

A Volkswagen vai pagar mil milhões de euros de multa às autoridades na Alemanha, devido à fraude com as emissões de gases nos carros a diesel.

A Volkswagen vai pagar mil milhões de euros de multa às autoridades na Alemanha, devido ao caso da fraude com as emissões de gases nos carros a diesel, anunciou hoje o grupo automóvel.

Através de uma declaração, a Volkswagen informou que vai aceitar a multa decidida pelas entidades judicias alemã, na cidade de Braunschweig, no centro norte da Alemanha, perto da localidade de Wolfsburg, onde o grupo tem a sua sede.

As entidades judiciais concluíram que a Volkswagen falhou no controlo adequado da atividade do seu departamento de desenvolvimento de veículos, o que resultou na produção de 10,7 milhões de carros a diesel com um ‘software’ de controlo de emissões ilegal, entre 2007 e 2015, depois vendidos em todo o mundo.

Trata-se de carros com o motor diesel EA 288 de terceira geração, nos Estados Unidos e Canadá, e com o motor EA 189 em outros países, equipados com uma função de ‘software’ ilegal.

O escândalo, que foi revelado em 2015, nos Estados Unidos, já teve elevados custos para o fabricante automóvel em multas definidas pelas autoridades norte-americanas.

O grupo disse esperar que o pagamento da multa na Alemanha tenha “efeitos positivos em outros procedimentos oficiais a decorrer na Europa contra a Volkswagen” e as suas participadas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
VW vai pagar mil milhões de multa na Alemanha devido a escândalo de emissões