5G

WeDo Technologies aposta no 5G e em novos modelos de negócio

WeDo Technologies
Rui Paiva, CEO da WeDo Technologies. Foto: D.R.

Chegada da próxima geração de comunicações móveis vai trazer mais riscos para os operadores de telecomunicações.

A WeDo Technologies acredita que o 5G vai trazer novas oportunidades de negócio na gestão de risco e prevenção de fraude no sector das telecomunicações, áreas nas quais a empresa portuguesa é especializada. Quanto, ao certo, o diretor executivo Rui Paiva não arriscou dizer.

“O movimento que fizemos para a cloud está a surtir efeito, mas esse movimento juntamente com a Internet das Coisas e o 5G são as principais áreas nas quais estamos a evoluir”, disse na sessão de abertura do encontro europeu que a empresa está a organizar esta semana em Cascais.

“Com o 5G e o IoT vão existir mais redes e mais elementos combinados. E com todos estes novos elementos, vemos que os operadores vão precisar de ter muito mais controlo. Se combinares isso com o Regulamento Geral da Proteção de Dados (RGPD), vai tornar-se uma área mais complexa. Vão existir muitas pessoas a tentarem fazer coisas más e nós vamos ser aqueles que temos o que é preciso para protegê-los”, reforçou, mais tarde, num encontro com jornalistas.

Com a chegada do 5G, os operadores de telecomunicações vão tornar as suas redes em ‘lojas de aplicações’ nas quais várias empresas podem disponibilizar serviços. Um fabricante automóvel pode, por exemplo, transformar-se num operador virtual para assegurar a ligação à internet de todos os seus veículos e para que os clientes não tenham de lidar com uma empresa externa.

Mas os perigos e riscos até aqui apenas associados aos operadores passam depois também para os clientes das redes virtuais. “Os operadores podem revender [as nossas tecnologias] ao cliente final. Vais comprar um BWM ou um Mercedes a dizer powered by WeDo Technologies”, exemplificou Rui Paiva.

RAID chega à versão 8.1

Para adaptar-se a esta nova realidade, a WeDo lançou uma nova versão da sua plataforma de gestão de risco, o RAID. “O 5G vai trazer uma explosão nos dados. Estamos a mudar a arquitetura dos nossos produtos para funcionar em grandes ambientes de cloud. A rede de telecomunicações vai ficar mais virtualizada, os clientes vão ter tudo na cloud e não conseguiríamos responder sem uma nova arquitetura”, explicou o diretor de tecnologia, Álvaro Ribeiro.

Destaque para o facto de o RAID 8.1 ter uma componente de visualização de dados em tempo real e também de possibilidade de integração de algoritmos de aprendizagem automática.

Como o ambiente tecnológico e as necessidades dos clientes estão a mudar, a WeDo está também a iniciar testes com novas formas de gerar receitas, mais especificamente um modelo ‘pay per use’, isto é, em que o cliente só paga pela utilização efetiva de determinada ferramenta.

“Estamos a evoluir no modelo de negócio e a testar os primeiros casos. Aquilo que estamos a ver é que a realidade está a ficar tão complexa, que os clientes querem uma abordagem de desenvolvimento operacional para que estejamos a trabalhar continuamente com eles. Só precisas de pagar pelo resultado ou pela funcionalidade que estás a usar” detalhou Bernardo Lucas, diretor de estratégia e marketing da tecnológica.

Uma das empresas com as quais a WeDo já está a testar o modelo de desenvolvimento conjunto é a Korea Telecom, uma das principais operadoras da Coreia do Sul, na área de aprendizagem automática e inteligência artificial.

O modelo pay per use também permite à WeDo ser mais flexível na resposta às necessidades que variam muito de mercado para mercado. “Empresas como a nossa vão enfrentar [com a chegada do 5G] realidades muito diferentes nos diferentes continentes e vamos tentar ter tudo integrado nas nossas tecnologias”, sublinhou ainda Rui Paiva.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Felipe VI, rei de Espanha

Sem acordo para governo, Espanha pode ir de novo a eleições em novembro

Felipe VI, rei de Espanha

Sem acordo para governo, Espanha pode ir de novo a eleições em novembro

Pedro Amaral Jorge, presidente da APREN
(João Silva/Global Imagens)

APREN. Renováveis contribuem com 15 mil milhões de euros para o PIB

Outros conteúdos GMG
WeDo Technologies aposta no 5G e em novos modelos de negócio