Wegho expande serviços ao babysitting e geriatria

A Wegho agrega um conjunto de serviços para facilitar a vida das famílias. Limpezas, reparações, personal trainers e agora babysitters num clique

A Wegho, plataforma digital de serviços domésticos, já está a operar no mercado do babysitting em Lisboa e Porto, depois de concluir uma parceria com a Nanny for me. Segundo Carlos Magalhães, um dos três fundadores da startup da Maia, "desde o início que pensámos em apostar neste pilar", mas é um negócio que "exige confiança" e "marcas com esse capital". A parceria com a Nanny for me, já com uma atividade de oito anos no ramo, foi o motor impulsionador.

"Nós temos a tecnologia e a Nanny trouxe os mais de cem profissionais", cujas competências e formações estão já validadas, destacou. Como sublinhou: "A empresa precisava de um upgrade tecnológico para escalar e nós precisávamos de técnicos". A Nanny tem três mil clientes registados.

Na plataforma Wegho, o cliente encontra serviços de limpeza doméstica, de reparação e manutenção (canalizadores, eletricistas, pintores...) e de personal trainer - este último ainda só disponível no Porto. Agora, somou o babbysitting (inclusive para férias e eventos) e, num futuro próximo, prevê disponibilizar mais serviços na área da saúde e bem-estar, como de geriatria, mas também de estética.

"Temos uma população bastante envelhecida e os nossos clientes já questionam se não prestamos outros serviços", justificou o responsável.

Esta loja online, que se assume como pioneira em Portugal de vendas deste tipo de serviços, arrancou no verão de 2017 com as áreas da limpeza. No espaço de um mês já somava mais de cem clientes. Ainda nesse ano, os três fundadores - Carlos Magalhães, João Magalhães (irmão) e Luís Machado (primo) - garantiram 1,7 milhões de euros com a entrada dos investidores Lusocargo e Lúcios. Esse capital permitiu alavancar a empresa ao nível da tecnologia, da oferta e do marketing.

Atualmente, a Wegho tem mais de quatro mil clientes, entre particulares e empresas. O crescimento do negócio conduziu a startup a criar a sua própria rede de funcionários, ao invés de contratar, e conta neste momento com mais de 65 colaboradores entre o Porto e em Lisboa para trabalhos de limpeza. Os outros serviços são disponibilizados com recurso a parcerias. Toda a oferta é contratável à distância de um clique, sendo que os clientes podem agendar a prestação como mais lhe convier - limpeza de obras, semanal, quinzenal...

Crescimento acelerado

A Wegho faturou quase meio milhão de euros em 2018 e as previsões para este ano apontam para um volume da ordem dos dois milhões, uma estimativa assente no crescimento das áreas da reparação e manutenção e babbysitting. Segundo Carlos Magalhães, o break-even do negócio será atingido em 2020.

Entretanto, a Wegho está também a estudar a expansão para Braga e Algarve, neste último caso de forma sazonal.

Segundo Carlos Magalhães, a empresa já foi abordada por investidores estrangeiros e portugueses. "Já tivemos algumas conversas com investidores espanhóis para internacionalizar, na Web Summit também fizemos alguns contactos", mas para já não de concreto. "As conversações vão decorrendo".

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de