retalho

Zara acaba com sacos de plástico nos saldos também em Portugal

Medida da cadeia espanhola detida pela Inditex insere-se no plano Green to Pack para a redução de resíduos

Se for aos próximos saldos na Zara já não vai receber um saco de plástico para transportar as suas compras. O prazo para a mudança para sacos de papel reciclados termina amanhã, 15 de fevereiro, e também em Portugal a cadeia espanhola vai implementar esta medida no âmbito do projeto Green to Pack.

“Vão acabar os sacos de plástico na época de saldos. O prazo para a mudança termina amanhã (sexta-feira), sendo substituídos por sacos de papel reciclado. Por uma questão de sustentabilidade, os atuais sacos de papel serão substituídos à medida que terminarem os stocks, com os novos sacos já a exibirem o novo logótipo da marca”, confirmou o Dinheiro Vivo junto a fonte oficial do departamento de comunicação da Inditex em Portugal.

Leia ainda: Inditex faz ‘make over’ da marca Zara

A cadeia junta-se assim a um conjunto de empresas que tem vindo a retirar os sacos de plástico da sua oferta ou a substituí-los por sacos de plástico reutilizável ou produzido com base em material reciclado. Um movimento transversal a várias indústrias para responder às metas de redução de plástico e promoção da sua reciclagem, já definidas a nível europeu.

Os novos sacos que vão estar em loja todo o ano, reduzem em mais de 70% o uso de tinta e permitem uma poupança de mais de 30% do consumo de água durante a sua produção, de acordo com uma informação interna da empresa, citada pelo espanhol ABC.

As embalagens para ofertas serão também substituídas e a sua imagem unificada com os novos sacos e com as caixas para envio de encomendas online.

Estas ações inserem-se no âmbito do projeto Green to Pack, cujo objetivo é otimizar as embalagens usadas em toda a cadeia e reduzir o máximo os resíduos. De acordo com dados da Inditex, dona da Zara, Massimo Dutti ou Bershka, desde 2015 que já reciclou 357 toneladas de prendas, calçado e acessórios recolhidos na sua rede de lojas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
The World Economic Forum, Davos
Fabrice COFFRINI/AFP

Líderes rumam a Davos para debater a nova desordem mundial

Mário Centeno

Privados pedem ao Estado 1,4 mil milhões de euros em indemnizações

Luis Cabral, economista.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Luís Cabral: “Pobreza já não é só ganhar 2 dólares/dia”

Zara acaba com sacos de plástico nos saldos também em Portugal