Turismo

Zmar Eco Camping à venda em leilão até 26 de setembro

O Zmar tem um parque aquático, que integra piscinas coberta e descoberta. Fotografia: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens
O Zmar tem um parque aquático, que integra piscinas coberta e descoberta. Fotografia: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

A empresa que detém 56,6% do Zmar Eco Camping, considerado um espaço de referência no alojamento de natureza no país, está insolvente

O Zmar Eco Camping, espaço de alojamento próximo de Zambujeira do Mar, no Alentejo, está à venda em leilão até 26 de setembro. A 10 dias de terminar o prazo, o parque de campismo, que foi considerado uma referência de inovação no alojamento de natureza, recebeu apenas uma licitação no valor de 2.599.461 euros, bastante abaixo dos 3.249.326 euros de valor base.

Segundo informações online da Leilosoc, entidade que está a organizar o leilão, está em processo de venda a participação social da Cravex de 56,6% na Multiparques a Céu Aberto, Campismo e Caravanismo em Parques. A Cravex tem a decorrer um processo de insolvência.

A Multiparques é a empresa que explora o Zmar Eco Camping, um empreendimento turístico com 81 hectares e capacidade para 1572 pessoas. Neste espaço, localizado na Herdade A-de-Mateus, Odemira, a Multiparques edificou um eco-hotel (bungalows de tipologias T1 a T3), criou um parque de 90 metros quadrados para tendas e caravanas e um conjunto de equipamentos, como parque aquático (piscinas coberta e descoberta), restaurante, bar, supermercado, balneários e copa comunitária.

O Zmar conta ainda com uma zona desportiva, com polidesportivo, ginásio e zona de aventura. Para os mais novos, tem um parque de diversões, quinta pedagógica e centro de interpretação ambiental.

Segundo a Leilosoc, em causa estão 5.801.501 (cinco milhões, oitocentos e um mil, quinhentos e uma) ações emitidas pela Multiparques a Céu Aberto, com o valor nominal de 1 euro cada uma, representadas por um título, depositadas no Novo Banco, SA, e das quais a insolvente é a legítima portadora.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Zmar Eco Camping à venda em leilão até 26 de setembro