Ana Rita Guerra

De "nova Steve Jobs" ao banco dos réus

Com olheiras e cabelo desgrenhado, usando uma máscara grande demais para a sua cara, a Elizabeth Holmes que apareceu em tribunal para a selecção dos jurados no seu julgamento estava quase irreconhecível. A ex-CEO da Theranos, uma super startup médica que prometia revolucionar a indústria dos testes de diagnóstico, vai ser julgada por fraude. Em causa está uma sucessão de mentiras aos investidores e ao mercado sobre as capacidades da Theranos e a sua rentabilidade. Posto de forma sucinta, quase tudo o que Elizabeth Holmes disse sobre a sua empresa, que fundou aos 19 anos, era mentira.