Exclusivo

Altice. “Despedimentos não estão na nossa lista de prioridades”

A carregar player...

Vai ou não haver despedimentos na Altice Portugal? A resposta que trabalhadores e sindicatos têm aguardado

Alexandre Fonseca, CEO da Altice Portugal, diz que tem como objetivo a estabilidade e a paz social. E responde às perguntas que mais inquietam trabalhadores e sindicatos.

Não vai haver despedimentos na Altice Portugal?

Neste momento esse é um tema que não está na nossa prioridade, na nossa lista de atividades. Não está nada previsto, portanto o nosso objetivo é criarmos estabilidade laboral e reforço aquilo que disse há pouco: contamos com todos os colaboradores que estejam produtivos e empenhados em colaborar de forma ativa neste projeto ambicioso que temos de continuarmos a liderar o setor das telecomunicações e tecnologias da informação em Portugal.

Quando diz “neste momento” não pode garantir que num futuro próximo isso não venha a acontecer?

Estamos a falar de pessoas e famílias. Qualquer gestor que assuma compromissos ad aeternum e sem um time frame temporal é irrefletido. Temos de viver a vida das organizações à luz daquilo que são os momentos que elas atravessam. Neste momento, dentro das prioridades estratégicas que temos, essa não é uma prioridade. O que posso é garantir estabilidade laboral e que contamos com todos os colaboradores. É importante também que lhe diga que nós temos vindo não apenas a dizê-lo mas a caminhar e a traçar um plano para garantir esta estabilidade e este contexto, que hoje vivemos um contexto laboral como que vivemos hoje, com tanta estabilidade, nos últimos 3 meses. E isso é fruto da atividade que temos vindo a desenvolver com as estruturas dos trabalhadores, portanto diria que mecanismo como aquele que recentemente anunciamos de um conselho consultivo para a relações laborais, que diria que é é único em Portugal em organizações desta dimensão, a criação deste conselho para que possa ter um papel ativo nas relações entre a companhia e os colaboradores e as estruturas que os representam é já de si um passo concreto.

Gostaria de vos dizer também que estamos a colocar um ênfase muito grande nesta estrutura porque acreditamos que é decisiva numa perspetiva de equilibrar e de dar uma visão independente neste tipo de relações. Para tal, contamos não só da definição deste órgão mas também um cuidado extremo identificação de comunidades e pessoas que possam fazer parte deste conselho.

Neste momento estamos, eu próprio tive oportunidade de falar na passada semana e estamos em contacto neste momento com o engenheiro João Proença, que é um dos convidados e que teve já um conjunto de conversas connosco neste sentido para que assuma o papel de liderança e participação ativa e ser um dos líderes deste conselho consultivo. Isto mostra claramente o nosso empenho e abertura ao diálogo, porque estamos a falar de uma pessoa que dispensa apresentações na sua capacidade de comunicação, é uma evidência clara da importância que a Altice Portugal coloca neste órgão. Só assim é que posso afirmar com a convicção que fiz há pouco que queremos e vamos ter estabilidade laboral na Altice em Portugal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

7º aniversário do Dinheiro Vivo: Conferência - Sucesso Made in Portugal. 
Pedro Siza Vieira, Ministro da Economia
(Diana Quintela/ Global Imagens)

Made from Portugal: desafio para os próximos 7 anos

Lisboa, 11/12/2018 - 7º aniversário do Dinheiro Vivo : Conferência - Sucesso Made in Portugal, esta manhã a decorrer no Centro Cultural de Belém.
Rosália Amorim, Directora do Dinheiro Vivo; Antonoaldo Neves, CEO da TAP; João Carreira, Co-fundador e Chairman da Critical Software; Paulo Pereira da Silva, CEO da Renova; João Miranda, CEO da Frulact; Rafic Daud, Co-fundador e CEO da Undandy; Helder Dias, VP of Engeneering da Farfetch 
(Diana Quintela/ Global Imagens)

Um unicórnio na China, papel higiénico sexy e patê de algas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Altice. “Despedimentos não estão na nossa lista de prioridades”