Marcos Bonturi

Marcos Bonturi: “A inovação é vista como uma coisa de jovens, mas não é”

Marcos Bonturi

Marcos Bonturi participa na 3ª sessão do ciclo de conferências do INA e falou com o Dinheiro Vivo sobre inovação na administração pública.

A “Inovação na gestão da administração pública” é o tema central da conferência “Construir hoje a administração pública do futuro” promovida pela Direção Geral da Qualificação dos Trabalhadores em Funções Públicas que tem lugar esta quarta-feira, dia 27 de junho. Este encontro, o terceiro daquele ciclo de conferências, terá o primeiro-ministro e o ministro das Finanças na sessão de abertura, conta com a participação de vários especialistas internacionais que vão falar sobre os desafios que se colocam à administração pública num mundo cada vez mais dominado por tecnologias. Entre esses oradores está Marcos Bonturi, diretor de governação pública da OCDE que, em entrevista ao Dinheiro Vivo, fala sobre a forma como as administrações públicas estão a preparar-se.

O sector privado está focado inovação. Do lado do sector público, também se pode dizer que o foco está canalizado para a inovação ou a administração pública corre riscos de se deixar ficar para trás?
Todos, independentemente do sector, enfrentam esta necessidade de inovar e há muitas administrações a fazer esse caminho. Nos últimos dois anos, temos colaborado na análise de tendências emergentes na inovação no sector público, e no relatório Abraçando a Inovação damos vários exemplos de novos métodos e técnicas que estão a ser aplicadas, como a criação da primeira ‘embaixada de dados’ do mundo na Estónia ou a utilização de um modelo de coinvestimento nos serviços sociais na Noruega. Percebemos que há uma aposta na inovação. Será suficiente? A resposta depende do contexto de cada administração pública, mas acho que é justo dizer que há muito a ser feito. Mas a inovação requer atenção e foco permanentes, não vemos que isso esteja a acontecer de forma tão acentuada quanto o que seria necessário.

Há serviços públicos mais sensíveis a esta necessidade de inovação e onde essa falta de foco se sinta mais?
Vivemos tempos de mudança constante e seria preciso ter muita confiança para prever as áreas em que a inovação é mais necessária – ou dizer onde ela pode não ser necessária. As novas tecnologias, práticas e expectativas podem afetar qualquer área do sector público, seja saúde, educação, impostos segurança social. Cada área tem de ir vendo as oportunidades que a inovação lhe pode trazer, as situações que exigem novas abordagens e que prioridades apenas conseguirão alcançar se as coisas forem feitas de maneira diferente. No nosso trabalho na OCDE temos visto a necessidade de inovação impor-se em todas as áreas e em todos os domínios. Isso diz-me que não há nenhuma área em que não se possa inovar e que temos de estar permanentemente a ver o que podemos fazer diferente.

  1. Em Portugal, o número de trabalhadores da função pública com licenciatura é muito superior ao da média do sector privado. Mas a idade média destes trabalhadores (cerca de 46,7 anos) também é mais elevada. O facto de se tratar de pessoas mais velhas, em termos médios, pode ser um entrave à mudança, à inovação?
    Muitas vezes, a inovação é vista como uma coisa de jovens, mas isso simplesmente não é verdade. No início deste ano, Departamento Nacional de Economia dos EUA divulgou um estudo que mostra que a média de idade dos fundadores dos 1000 projetos com crescimento mais rápido era 45 anos. Assim, a idade dos funcionários públicos de Portugal é quase perfeita! A inovação requer disposição para questionar o estado atual das coisas, ter energia e paixão para procurar por coisas que não são uma certeza ainda e estar aberto a novas experiências e métodos. Estas são valências frequentemente associadas aos jovens, mas que qualquer um pode ter, independentemente da sua idade. A idade também pode trazer vantagens para a inovação: ter experiência e conhecimento sobre o que funciona (e o que não funciona), unir conceitos e experiências de diferentes campos e ter uma compreensão mais aprofundada dos temas, políticas ou serviços específicos. Enquanto as pessoas estiverem abertas para perguntar “o que poderíamos e deveríamos fazer de forma diferente?”, a idade não é importante.
  1. Em Portugal, temos um programa, o Simplex +, que promove a concretização de ideias que visam simplificar e inovar a forma como a administração pública se relacionada com os cidadãos. Na última edição, foi anunciado que, proximamente, haverá um robô num serviço público a indicar às pessoas o local onde devem dirigir-se. Há quem veja aqui uma ameaça à substituição de pessoas por robôs. É de esperar que a robotização reduza muitos empregos na administração pública?
    Os robôs e automação são definitivamente grandes tendências a ter em conta, mas num futuro próximo a oportunidade de automatizar serviços é algo que se deve apreciar em vez de se recear. Uma das maiores barreiras à inovação no sector público é os governos tomarem medidas que travem este processo. A automação e os robôs dão-nos a oportunidade de libertar recursos para que coisas novas sejam consideradas e testadas.
  1. Que tarefas ou que tipo de serviços serão mais facilmente alvo desta automação?
    A automação foca-se sobretudo em tarefas repetitivas e que não exigem envolvimento ou criatividade. Mas à medida que a robotização se tornar mais sofisticada, poderá ser mais fácil automatizar uma gama mais alargada de procedimentos e tarefas. Mesmo assim, e embora haja necessidades razoavelmente padronizadas que podem ser respondidas por serviços automatizados, haverá sempre situações únicas a necessitar de uma atenção individual.

Em Portugal, é obrigatório que os funcionários se aposentem aos 70 anos. Como a atual esperança média de vida continua a aumentar esta limitação ainda faz sentido?
Esta é uma questão que não se limita à administração pública. É necessário pensar de que forma é que as pessoas mais velhas podem continuar a contribuir e a serem ativas. Aumentar apenas a idade de saída para a reforma não me parece que seja uma resposta inovadora. A solução pode passar simplesmente por encontrar formas novas de aproveitar as experiências e o conhecimento das pessoas mais velhas, seja na administração pública, seja no sector privado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

BCP

BCP propõe distribuir 30 milhões em dividendos

Miguel Maya, CEO do Millennium Bcp.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Lucro do BCP sobe mais de 60% para 300 milhões em 2018

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Marcos Bonturi: “A inovação é vista como uma coisa de jovens, mas não é”