Alojamento local

Miguel Santo Amaro: “Nova lei do AL dará mais casas para estudantes”

Miguel Santo Amaro é  um dos nomes a lembrar quando falamos em empreendedorismo. No mesmo acredita a revista Forbes, que em 2017 o distinguiu como um dos jovens com menos de 30 anos a não perder de vista, na tecnologia. Passou pela Entrepreneurs Organization e pela Global Shapers. Em 2011, completou o mestrado em Empreendedorismo Global no Babson College,em Massachusetts. Foi lá que conheceu os colegas com quem fundou a startup Uniplaces, em 2012, com apenas 22 anos.
( Álvaro Isidoro / Global Imagens )
Miguel Santo Amaro é um dos nomes a lembrar quando falamos em empreendedorismo. No mesmo acredita a revista Forbes, que em 2017 o distinguiu como um dos jovens com menos de 30 anos a não perder de vista, na tecnologia. Passou pela Entrepreneurs Organization e pela Global Shapers. Em 2011, completou o mestrado em Empreendedorismo Global no Babson College,em Massachusetts. Foi lá que conheceu os colegas com quem fundou a startup Uniplaces, em 2012, com apenas 22 anos. ( Álvaro Isidoro / Global Imagens )

Cofundador da Uniplaces sugere que o alojamento local seja limitado a 60 dias por ano, para rentabilizar mais os imóveis.

Miguel Santo Amaro é um dos fundadores da Uniplaces, uma startup que tem uma plataforma para arrendamento de alojamento para estudantes. Com o início do ano letivo à porta, o responsável assume que o mercado nacional tem representado uma “surpresa pela positiva”. Quanto à nova lei para o Alojamento Local (AL), que entra em vigor nas próximas semanas, Miguel Santo Amaro acredita que em Portugal pode acontecer o mesmo que em outras geográficas e as limitações impostas pelas novas regras levem a que mais casas fiquem disponíveis para arrendamento da estudantes.

Está a começar um novo ano letivo. Como é que está a decorrer todo o processo? Têm muitas reservas?
Para nós, Portugal tem sido uma surpresa pela positiva. Ou seja, o mercado em termos de maturidade está muito mais maduro do que estava há cinco anos. As pessoas têm de perceber que um dos grandes esforços que a Uniplaces fez foi conseguir tentar captar não só investimento estrangeiro, mas investimento nacional para ter operadores com escala em Portugal e operadores profissionais. Os nossos três maiores clientes em Portugal hoje são três dos maiores operadores de residências universitárias, que não existiam quando nós começámos. Temos também de tentar saber o que é que queremos como sociedade e como instituições académicas, por exemplo.

O turismo tem crescido e o Alojamento Local também tem aumentado significativamente. Têm tido problemas em conseguir que os proprietários dos imóveis arrendem a estudantes em vez de colocarem no AL?
As residências universitárias são um ativo relativamente recente, [ou melhor] não são. A lei é de 1969. É uma lei muito antiga que não faz sentido para hoje em dia. O que há hoje em dia é que se está num limbo. Por um lado, às vezes o AL é interessante porque podes fazer as duas vertentes, podes fazer curta duração e longa duração. Por outro, quem quer só fazer [alojamento para] universitários acaba por sair prejudicado. Sobre o que podemos fazer, ou o que é que o governo pode fazer, acho que [devemos] definir melhor o que é AL, pensarmos numa melhor lei para residências universitárias e alojamento jovem, [até porque]muitas vezes nem é alojamento para universitários. Acho que o que a Uniplaces também está a fazer, e uma das diferenças da Uniplaces do ano passado para este, é que queremos ser mais abrangentes do que só para estudantes. O produto que hoje posso oferecer não faz muito sentido só poder oferecê-lo a um estudante.

Disponibilizar, por exemplo, a jovens em início de carreira?
Sim, até aos 30 anos. Ou seja, quando ainda não tens família e até não te importas de viver quase num espírito de co-living, que acho que é superinteressante; desenvolver comunidades, deslocados que vêm trabalhar para Lisboa e que querem viver em comunidade. Ou seja, repensarmos a forma como vivemos, acho que também pode ser trabalhada aí, e podem ser criados incentivos e podemos pensar se queremos investir nesta lógica e queremos ter jovens na cidade e não acontecer, por exemplo, aquilo que aconteceu na Baixa Pombalina, [que esteve um pouco desertificada] e hoje é o que é. Temos de trabalhar a parte fiscal, a parte dos incentivos, tens de penalizar quando queres penalizar.

Leia aqui: PodShare. Aqui partilha-se a casa com estranhos para poupar na renda

Com a nova lei do AL, vai haver mais casas para o arrendamento para estudantes nomeadamente internacionais?
É difícil prever mas acredito que sim porque foi isso que aconteceu em Barcelona por exemplo, quando começaram a restringir muito o AL. Acho que uma alternativa mais inteligente para não proibir é provavelmente limitá-lo no tempo e fazer dois meses, ou seja, poder arrendar-se no máximo 60 dias num ano, e isso para nós, curiosamente, é o mais interessante porque acabamos por conseguir rentabilizar o imóvel de uma forma muito mais interessante. Consegue-se baixar provavelmente de setembro a junho [a renda] e julho e agosto equilibra-se para turistas. Pode ser uma forma inteligente de as próprias cidades conseguirem gerir -se – ou seja, quando é para turistas é para turistas mas os locais também têm, sendo que a única chatice é que para um local é que provavelmente no verão tem de sair da casa. Mas esse tipo de jogadas acho que são interessantes. E está acontecer já: em Berlim aconteceu mas acho que em Barcelona foi onde foi mais notório. Acho que Lisboa também vai ser.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

Foto - Leonardo Negrao

Deco: seguros de saúde não cobrem coronavírus, seguros de vida sim

Foto: D.R.

Easyjet. Ligações de Portugal com Itália não serão afetadas, por enquanto

Miguel Santo Amaro: “Nova lei do AL dará mais casas para estudantes”