Alojamento local

Miguel Santo Amaro: “Nova lei do AL dará mais casas para estudantes”

Miguel Santo Amaro é  um dos nomes a lembrar quando falamos em empreendedorismo. No mesmo acredita a revista Forbes, que em 2017 o distinguiu como um dos jovens com menos de 30 anos a não perder de vista, na tecnologia. Passou pela Entrepreneurs Organization e pela Global Shapers. Em 2011, completou o mestrado em Empreendedorismo Global no Babson College,em Massachusetts. Foi lá que conheceu os colegas com quem fundou a startup Uniplaces, em 2012, com apenas 22 anos.
( Álvaro Isidoro / Global Imagens )
Miguel Santo Amaro é um dos nomes a lembrar quando falamos em empreendedorismo. No mesmo acredita a revista Forbes, que em 2017 o distinguiu como um dos jovens com menos de 30 anos a não perder de vista, na tecnologia. Passou pela Entrepreneurs Organization e pela Global Shapers. Em 2011, completou o mestrado em Empreendedorismo Global no Babson College,em Massachusetts. Foi lá que conheceu os colegas com quem fundou a startup Uniplaces, em 2012, com apenas 22 anos. ( Álvaro Isidoro / Global Imagens )

Cofundador da Uniplaces sugere que o alojamento local seja limitado a 60 dias por ano, para rentabilizar mais os imóveis.

Miguel Santo Amaro é um dos fundadores da Uniplaces, uma startup que tem uma plataforma para arrendamento de alojamento para estudantes. Com o início do ano letivo à porta, o responsável assume que o mercado nacional tem representado uma “surpresa pela positiva”. Quanto à nova lei para o Alojamento Local (AL), que entra em vigor nas próximas semanas, Miguel Santo Amaro acredita que em Portugal pode acontecer o mesmo que em outras geográficas e as limitações impostas pelas novas regras levem a que mais casas fiquem disponíveis para arrendamento da estudantes.

Está a começar um novo ano letivo. Como é que está a decorrer todo o processo? Têm muitas reservas?
Para nós, Portugal tem sido uma surpresa pela positiva. Ou seja, o mercado em termos de maturidade está muito mais maduro do que estava há cinco anos. As pessoas têm de perceber que um dos grandes esforços que a Uniplaces fez foi conseguir tentar captar não só investimento estrangeiro, mas investimento nacional para ter operadores com escala em Portugal e operadores profissionais. Os nossos três maiores clientes em Portugal hoje são três dos maiores operadores de residências universitárias, que não existiam quando nós começámos. Temos também de tentar saber o que é que queremos como sociedade e como instituições académicas, por exemplo.

O turismo tem crescido e o Alojamento Local também tem aumentado significativamente. Têm tido problemas em conseguir que os proprietários dos imóveis arrendem a estudantes em vez de colocarem no AL?
As residências universitárias são um ativo relativamente recente, [ou melhor] não são. A lei é de 1969. É uma lei muito antiga que não faz sentido para hoje em dia. O que há hoje em dia é que se está num limbo. Por um lado, às vezes o AL é interessante porque podes fazer as duas vertentes, podes fazer curta duração e longa duração. Por outro, quem quer só fazer [alojamento para] universitários acaba por sair prejudicado. Sobre o que podemos fazer, ou o que é que o governo pode fazer, acho que [devemos] definir melhor o que é AL, pensarmos numa melhor lei para residências universitárias e alojamento jovem, [até porque]muitas vezes nem é alojamento para universitários. Acho que o que a Uniplaces também está a fazer, e uma das diferenças da Uniplaces do ano passado para este, é que queremos ser mais abrangentes do que só para estudantes. O produto que hoje posso oferecer não faz muito sentido só poder oferecê-lo a um estudante.

Disponibilizar, por exemplo, a jovens em início de carreira?
Sim, até aos 30 anos. Ou seja, quando ainda não tens família e até não te importas de viver quase num espírito de co-living, que acho que é superinteressante; desenvolver comunidades, deslocados que vêm trabalhar para Lisboa e que querem viver em comunidade. Ou seja, repensarmos a forma como vivemos, acho que também pode ser trabalhada aí, e podem ser criados incentivos e podemos pensar se queremos investir nesta lógica e queremos ter jovens na cidade e não acontecer, por exemplo, aquilo que aconteceu na Baixa Pombalina, [que esteve um pouco desertificada] e hoje é o que é. Temos de trabalhar a parte fiscal, a parte dos incentivos, tens de penalizar quando queres penalizar.

Leia aqui: PodShare. Aqui partilha-se a casa com estranhos para poupar na renda

Com a nova lei do AL, vai haver mais casas para o arrendamento para estudantes nomeadamente internacionais?
É difícil prever mas acredito que sim porque foi isso que aconteceu em Barcelona por exemplo, quando começaram a restringir muito o AL. Acho que uma alternativa mais inteligente para não proibir é provavelmente limitá-lo no tempo e fazer dois meses, ou seja, poder arrendar-se no máximo 60 dias num ano, e isso para nós, curiosamente, é o mais interessante porque acabamos por conseguir rentabilizar o imóvel de uma forma muito mais interessante. Consegue-se baixar provavelmente de setembro a junho [a renda] e julho e agosto equilibra-se para turistas. Pode ser uma forma inteligente de as próprias cidades conseguirem gerir -se – ou seja, quando é para turistas é para turistas mas os locais também têm, sendo que a única chatice é que para um local é que provavelmente no verão tem de sair da casa. Mas esse tipo de jogadas acho que são interessantes. E está acontecer já: em Berlim aconteceu mas acho que em Barcelona foi onde foi mais notório. Acho que Lisboa também vai ser.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
VALORES Arrábida Shopping[192606]

Valores. Empresa de comércio de ouro quer ter 230 lojas em 2021

Mário Centeno 
(EPA-EFE/PATRICIA DE MELO MOREIRA / EU COUNCIL HANDOUT  HANDOUT)

Centeno quer acordo europeu antes do verão

covid 19 portugal casos coronavirus DGS

1316 mortos e 30 623 casos de covid-19 em Portugal

Miguel Santo Amaro: “Nova lei do AL dará mais casas para estudantes”