Rodrigo Rosa. "Vamos investir 14 milhões e contratar 100 pessoas"

O volume de negócios da OGMA cresceu 4% em 2016. A empresa exporta 90% do que produz e o presidente acaba de ser promovido para a Embraer Europa

Apaixonado por aviões, Rodrigo Rosa é o presidente e o CEO da OGMA - Indústria Aeronáutica de Portugal. Revela em primeira mão, ao Dinheiro vivo, os resultados apurados do exercício de 2016. Depois de modernizar a OGMA, que é controlada pela brasileira Embraer, e de tornar a OGMA uma referência na aviação, Rodrigo parte agora para novos voos em Amesterdão. Acaba de ser promovido para CFO da Embraer Europa e fica responsável pelo grupo na Europa, no Médio Oriente e em África.

Quais são os resultados de 2016?

São muito positivos para a empresa, refletiram um crescimento de 4% em relação ao ano de 2015, que já tinha sido o melhor ano de sempre da OGMA, em termos de volume de negócios. E isso representou 196 milhões de euros em volume total de negócios.

E quais os resultados líquidos?

Foram um bocado mais do que 10 milhões de euros de lucro líquido, e isso a proposta pela feita pela administração foi aprovada para a distribuição de lucros pelos empregados, como tem sido tradição nos últimos anos da OGMA, num total de 1,47 milhões de euros.

Todos os empregados são contemplados?

Todos estão abrangidos por essa regra e podem ser elegíveis para a distribuição. Existe uma regra, todos os que se enquadram recebem parte dessa distribuição.

Depende da avaliação?

Também. Há requisitos de desempenho e metas que atingiram. Nos últimos anos, praticamente todos os empregados foram eleitos para receberem esses lucros.

A OGMA é detida em 65% pela Embraer, 35% pelo Estado. Como é que tem sido esta convivência?

A convivência tem sido muito positiva, não há história recente de alguma desavença entre os acionistas, ela tem sido muito profícua para ambas as partes e imagino que hoje não é pensamento de nenhuma das duas partes abrir mão dessa participação que tem gerado bons resultados.

Sem Embraer, a OGMA tinha morrido?

A Embraer aportou uma visão da indústria diferenciada e que ajudou a, juntamente com a experiência e base tecnológica que já existia, a desenvolver a OGMA e é visível o desenvolvimento nos últimos 12 anos, pós-privatização da empresa.

Em 2008 empregava de 1860 pessoas, em 2013 pouco mais de 1500. Recordo que, quando entrou na OGMA, o “fantasma” dos despedimentos ensombrava a empresa. Ainda ensombra?

Não. Em 2016, a OGMA teve um crescimento líquido de 140 empregados aproximadamente e as perspetivas são para agora, para 2017, com os novos projetos, mais pessoas deverão ser contratadas também.

Quantas mais vai contratar?

Estimamos 100 pessoas.

Durante o ano de 2017? Exato.

Nos anos seguintes a perspetiva é continuar a crescer?

A visão estratégica da empresa é de crescimento, sem dúvida.

Há novos investimentos anunciados. Do que se trata?

Para 2017, são 14 milhões de euros previstos. Ainda falando um pouco dos resultados de 2016, tivemos um crescimento do volume de investimentos, seja em formação ou seja em ativos tangíveis. Em relação a ativos tangíveis aumentámos 50 % face a 2015 o volume de investimentos e atingimos 15 milhões de investimentos em 2016. E em formação também foram outros 50% de crescimento, atingindo mais de três milhões. Isso foi necessário para pensar o crescimento dos próximos anos.

Os sindicatos têm acusado a empresa de ter lucros que depois não são refletidos nos aumentos salariais. Não há condições na empresa para fazer atualizações salariais substanciais?

Bem, a empresa faz aumentos todos os anos. São aumentos por mérito e desempenho das pessoas, e são conhecidos pelos sindicatos.

Os sindicatos não têm razão?

Não, e sabem que ajustes existem.

Este ano há um novo contrato importante com a China, para manutenção de aviões na OGMA. De que valor é?

É de manutenção de trens de aterragem de um modelo de aeronave da Embraer, que é operada na China pela companhia aérea Tianjin. Nós ganhámos esse contrato, os trens de aterragem virão cá, para Alverca, e esse contrato é de três anos, representando, no primeiro ano, algo em torno de um milhão, dois milhões de euros...

O grupo Embraer tem sido afetado pela crise. Como antevê o futuro na OGMA, em Alverca, e na Embraer, no Alentejo?

A OGMA tem a sua vida própria. Tem marcas e é representante de clientes que, em alguns momentos, são até concorrentes da própria Embraer, como a Lockheed Martin, Airbus, e outros. Tem uma estratégia própria de ir ao mercado. É lógico que a Embraer, como uma fabricante e sendo a OGMA um centro autorizado da Embraer, têm uma parceria, em relação às aeronaves já em operação. As análises para cada uma são diferentes em relação à crise

Porque é que a OGMA não tem mais contratos nacionais, até militares?

Nós temos praticamente todos os operadores. Respondemos a todas as necessidades da Força Aérea, daí a parceria e tem crescido e a parceria, é bastante forte. Todas as aeronaves que a Força Aérea possui e que a OGMA tem capacidade para fazer a manutenção, têm serviços contínuos e têm desempenhado de forma satisfatória.

Mas podia ser mais?

Hoje, acredito que não.

Tem de virar-se mais para o mercado externo?

A OGMA não consegue crescer só dependendo do mercado nacional, é impossível. Tem de se desenvolver no mercado externo. É característica desta indústria no mundo todo. Na Embraer, no Brasil, mais de 90% do negócio é exportação. É difícil depender do mercado interno, se pensar que Boeing e Airbus têm negócios no exterior, como necessidade. Na OGMA hoje, 95%do volume de negócios é exportação e deverá continuar.

A crise terá afetado a Embraer do Alentejo?

Acho que não. A Embraer, lá no Alentejo, é uma fábrica que se dedica 100% aos produtos da Embraer. Obviamente, se há algum impacto nas vendas da Embraer, isso pode, na cadeia, refletir impacto ali na produção. Mas como têm sido desenvolvidos novos produtos e esses têm tido sucesso no mercado, não tem havido reflexo imediato. Tanto é que tem anunciado investimentos.

Como é que vislumbra o futuro do Aeroporto de Beja?

Não sei, o Aeroporto de Beja já foi idealizado para vários projetos. Depende muito da estratégia do Governo. O cluster aeronáutico, tendo sede ali no Alentejo, poderá ser útil.

O que é que falta para dar esse “empurrão” em Beja?

Todos os aeroportos, seja Montijo, Alverca ou Beja, dependem da estratégia e do que for determinado para essas pistas ou bases que, necessariamente, vão precisar de um volume de investimentos para adaptá-las à realidade de uma aviação comercial, executiva e de carga, que é completamente diferente do perfil de uma pista de base aérea.

Em Beja faltou estratégia?

Não conheço a fundo o que é determinado para Beja e, principalmente, porque ali tem uma base da Força Aérea.

Temos um aeroporto que está, basicamente, às moscas?

Não, temos uma pista que tem capacidade de muito maior movimento. Acho que é isso.

E em relação ao Montijo, parece-lhe boa solução? Ou acha que Alverca era uma melhor solução?

Seja uma ou outra, qualquer uma que seja a escolha do Governo, - e não posso eu definir pelo Governo qual é a melhor opção -, vai necessitar de grandes investimentos para que se adapte.

A OGMA sonhou com Alverca?

Aumentaria significativamente o movimento por ali. Mas não adianta apenas aumentar o volume... se as aeronaves não são aquelas às quais nós estamos preparados para fazer manutenção, então não é uma lógica tão direta...

De a experiência recolhida em Portugal, o que guarda e que lição leva para Amesterdão?

A experiência da Embraer e da OGMA, aqui em Portugal, é muito positiva. Temos encontrado mão de obra muito qualificada e os engenheiros são muito bem formados. É preciso haver mais OGMAs para que essa mão de obra qualificada toda permaneça em Portugal e o país cresça. Se eu for tão bem tratado em Amesterdão como fui aqui em Portugal, em todos os sentidos, ficarei muito satisfeito.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de