a vida do dinheiro

Sofia Tenreiro: “Estamos a captar os portugueses que não queremos que fujam”

A carregar player...
Sofia Tenreiro: “Estamos a captar os portugueses que não queremos que fujam”

Será que a tecnologia tem alma? Sofia Tenreiro acredita que sim. A diretora-geral da Cisco Portugal já passou pela Microsoft e pela Optimus. Diz que não se sente ameaçada pela outra Sophia, ou seja, a robô apresentada na Web Summit.

Que avaliação faz a Cisco do investimento em Portugal?
A Cisco faz uma avaliação muito positiva no investimento que tem feito em Portugal, tanto que tem não só mantido esse investimento, como até incrementado. Temos um centro de operações há dez anos que conta com muitos portugueses, estrangeiros também, temos sido uma fonte de emprego com praticamente 400 pessoas nos escritórios em Portugal e temos promovido Portugal através de serviços que prestamos a outros países. Por outro lado temos tido investimento para ajudarmos o país a acelerar a sua transformação digital, através do programa Country Digitization Accelerating, através do qual temos conseguido trazer investimento para Portugal.

Qual a grande diferença dos trabalhadores da Cisco em Portugal e do resto da Europa?
Há uma diferença muito grande e não tem apenas que ver com os trabalhadores portugueses. Portugal consegue criar um clima e uma cultura que acaba por absorver os trabalhadores estrangeiros, extrair-lhes o melhor que têm e complementar com o melhor que nós temos. O nosso CEO, Chuck Robbins, conhece Portugal pelas boas razões e é uma referência a nível mundial na Cisco, não só pela questão comercial, da revenue que geramos, mas pela questão dos projetos inovadores que fazemos e pela cultura que temos. Ganhámos pelo sétimo ano consecutivo o Great Place to Work e a cultura de escritório é diferenciadora. Temos todos os dias muitos estrangeiros a visitarem-no e dizem que sentem um ambiente especial, mais positivo, as pessoas têm um nível de colaboração muito grande e a satisfação que têm ao trabalhar numa empresa que as respeita bastante – que é líder em termos tecnológicos mas que ao mesmo tempo lhes dá muita flexibilidade – é enorme. O tema da flexibilidade é muito importante porque pode ser uma bandeira de Portugal.

Quais são os principais desafios do mercado português?
Têm que ver com escala, porque quando nos comparamos com outros países, temos noção de que não nos podemos comparar em termos de dimensão de negócio, dimensão do país e dimensão de oportunidade, portanto, comparamo-nos muito pela inovação dos projetos. O tipo de projetos que conseguimos implementar é bastante inovador. O facto de ser um país pequeno permite-nos testar muito mais facilmente do que noutros países e por outro lado sentimos que, quer da parte do setor público quer da parte do setor privado, há uma grande apetência por parte das empresas, das cidades e das instituições para testarem coisas nova. Acreditamos que somos um bocadinho opinion makers. Gostamos de estar e de ter logo a primeira versão de tecnologia, e isso acaba por nos diferenciar bastante de países muito mais conservadores que querem, primeiro, que as soluções sejam testadas, os lançamentos sejam comprovados e depois poderem experimentar. Isso é algo que nos ajuda e que nos contrapõe à barreira da escala, acho que a parte da inovação ultrapassa a questão da escala. Em termos de negócio temos a questão da escala, mas por outro lado temos o talento que é exportável para o resto do mundo.

Graças à aposta digital, a Cisco é a única empresa que apresenta contas a 1 de janeiro de 2018. Porque é que os outros não o fazem? É assim tão difícil, tão dispendioso?
A 1 de janeiro e a 1 de agosto. O nosso ano fiscal começa no final de julho. Mas olhamos para o processo digital dos nossos clientes e olhamos para o nosso processo digital e acreditamos que as empresas têm de ser o mais tecnológicas possível, também internamente, e têm de usar o que de bom a tecnologia tem para dar para mudar os seus processos, toda a sua governance. Conseguimos ter ferramentas digitais que nos permitem ter essa visibilidade constante e permitem-nos conseguir ter as contas todas em dia.

Porque não acontecerá noutras empresas?
Está a haver uma evolução muito positiva, mas ainda há uma grande barreira de conhecimento, não tanto nas grandes mas mais nas pequenas e médias, porque há tantas soluções tecnológicas disponíveis que as empresas têm medo de não escolher a solução credível ou a que vai perdurar no tempo. Aí é fundamental apostarmos em empresas que são credíveis. Por outro lado, é importante a abordagem que se tem à transformação tecnológica, porque transformar radicalmente e de uma só vez é uma tarefa hercúlea, há todo um sistema de legacy, em termos de sistemas informáticos e de procedimentos e operações já implementados há muitos anos. Às vezes é mais fácil ir tendo uma estratégia global para a empresa, numa perspetiva da transformação digital, mas depois ir tentando isolar e conseguir ganhos mais rápidos em áreas mais pequenas.

Preocupa-a se um dia no seu lugar possa estar a dar esta entrevista uma robô que se chame Sophia?
A Sophia já dá entrevistas, por isso já é possível. A tecnologia tem de ter alma e acredito que apenas tecnologia não resolve os problemas, por isso é tão importante quando trabalhamos com os nossos clientes pensar em tudo o que está à volta da tecnologia. Pensarmos na adoção, como é que os colaboradores vão usar a tecnologia, que tipo de procedimentos têm de ser alterados para se usar essa tecnologia da melhor maneira. E por isso acredito que nos robôs se aplica esta questão da alma. Sem dúvida que os robôs vão ocupar muitos dos empregos que já existem, mas vão libertar-nos de tarefas rotineiras para podermos ter mais tempo para ocuparmo-nos de tarefas de valor acrescentado e podermos fazer, no limite, atividades de que gostamos muito mais.

Mas isso vai ser um processo doloroso, não é uma transformação de um dia para o outro…
É um processo doloroso, até porque a rapidez com que a tecnologia muda é muito superior à rapidez com que nós humanos nos reinventamos. Por isso é que hoje temos muitos empregos a ser substituídos por robôs, mas não estamos a requalificar pessoas com a mesma velocidade e temos um gap enorme de talento para estas novas funções, como data scientist, condutor de drone,… empregos que não existiam há dez anos. E daqui a dez anos vai haver outros novos empregos que nem conseguimos ainda pensar. Sem dúvida que tudo o que não conhecemos nos mete medo, daí o grande medo em relação aos robôs. Tenho uma opinião positiva, acredito que vamos conseguir tirar o que há de melhor nos robôs e vamos ter de nos reinventar, até porque o que fazemos hoje pode deixar de fazer sentido daqui a dez anos. A própria maneira como estamos vinculados às empresas vai ser radicalmente diferente, e se acreditamos que a esperança média de vida vai ser muito superior, poderemos viver até aos 130 anos, isso implica muita requalificação e muita reinvenção. E não podemos dizer que é o governo ou as grandes empresas que têm a obrigação de fazer isso pelos colaboradores.

Este processo pode aumentar as taxas de desemprego?
Acredito que vamos conseguir ter um equilíbrio como já tivemos na Revolução Industrial. Temos é de acelerar mais a existência de talento nestas áreas que são novas e para as quais hoje não existe talento. E isso começa em saber como é que conseguimos cativar os mais jovens para enveredarem por cursos tecnológicos em que hoje não temos a atração que deveríamos ter. Cyber security é uma aposta seguríssima de carreira, porque há uma necessidade enorme de talento, e vai continuar a haver, nessa área. Os jovens que enveredam por carreiras em que se possam depois dedicar a isso são poucos para as necessidades que existem. Por um lado há um grande medo em relação à matemática desses cursos, mas por outro lado há uma questão de imagem que ainda não é positiva sobre o que é trabalhar na área tecnológica. Está a mudar com as empresas mais cool, mas ainda há um estigma muito grande sobre o que é trabalhar na área tecnológica, da pessoa com óculos fundo de garrafa, que trabalha numa cave e trabalha em código o dia inteiro. E trabalhar na área tecnológica é fascinante, porque impactamos o mundo a todos os níveis. Todos temos a responsabilidade de convencer os mais jovens e mostrar-lhes o fascinante que é trabalhar em tecnologia.

Estas fragilidades da cibersegurança podem fazer regredir o avanço digital a que assistimos?
As fragilidades da cyber security dão que pensar, mas não deixamos de sair de casa porque podemos ser assaltados na rua. Temos é de tomar medidas preventivas em relação a isso. Tenho assistido a uma evolução muito positiva por parte das empresas portuguesas em relação à consciências dos riscos e dos perigos.

E são cada vez mais sofisticados os ataques. Exigirão maiores investimentos das empresas?
Os ataques não exigem apenas maiores investimentos, porque há uma componente tecnológica que é precisa para as empresas estarem protegidas, mas também há uma questão de educação. Os colaboradores precisam de saber o que é que podem fazer e o que é que não podem fazer: os anexos de e-mail que podem abrir, os telefonemas que podem atender, o que podem responder por telefone ou e-mail… É uma questão de cultura, cada um de nós, na nossa esfera pessoal e profissional, vai ter de pensar na cyber security como pensamos hoje em sair à noite e não levar as joias todas. Os mais jovens vão ter essa consciência já incorporada, nós vamos ter de a aprender e de a trabalhar todos os dias. A evolução das empresas portuguesas é muito positiva, também a verdade é que temos cada vez mais ataques com impacto nas empresas portuguesas, que acabam por acelerar essa consciência.

Estão muito expostas, apesar dessa evolução positiva, comparando com outros mercados?
A Cisco realizou um estudo há dois anos, com a IDC, e Portugal era dos países onde a adoção de políticas de cyber security estava mais atrasada, mas nos últimos dois anos houve uma evolução positiva. Nunca vamos conseguir estar 100% protegidos porque os ataques são dinâmicos, muito sofisticados e estes hackers têm todo o tempo do mundo para estudar as empresas e os seus colaboradores. Por isso é que temos de pensar de forma integrada na estratégia da cibersegurança e não apenas colocar a responsabilidade numa pessoa ou num departamento. É uma estratégia que deveria estar ao nível do board das empresas e pensada a todos os níveis.

Consegue-nos dar exemplos? Quais os principais riscos que um cidadão normal corre?
Atualmente tem muitos riscos. Ao contrário do que se pensa, não basta apenas abrir um anexo. Eu não abro anexos de remetentes que não conheça, e apesar de todos recebermos muitas newsletters ou links para um conteúdo de uma agenda ou conferência,… o conselho que damos é que não deveremos abrir anexos, e não só de entidades exteriores. Há muitos e-mails internos da Cisco que envio para o IT a questionar se é um e-mail verdadeiro ou é spam, porque pode acontecer. Posso dizer que 11% dos nossos colaboradores clicam em e-mails que não poderiam clicar. Mas também, se visitarmos um site malicioso, podemos não ter clicado em nenhum anexo e automaticamente estamos infetados, daí ser tão importante existirem soluções tecnológicas na empresa. A Cisco está protegida a esse nível: temos um produto em que estamos constantemente a atualizar todos os sites maliciosos, e sempre que tento entrar num site malicioso sou barrada. Porque temos um grupo interno de centenas de pessoas com o único objetivo de terem informação dos ataques que há a nível mundial. Estão a monitorizar as redes de clientes Cisco, e pelas infraestruturas Cisco passam cerca de dois terços de todos os e-mails corporativos no mundo.

É uma equipa de hackers?
Dizemos que são os hackers for good. Para ter noção da dimensão, nós bloqueamos 20 mil milhões de ataques por dia. Isso são seis vezes o número de search de Google a nível mundial. Os ataques estão a aumentar e depois nós usamos essa informação para desmantelar muitas vezes as redes de hackers – e trabalhamos com as autoridades – mas também para darmos essa informação aos nossos clientes que têm soluções de cyber security para poderem estar mais protegidos e saberem o que fazer quando ocorre um ataque.

O Estado português está a fazer um bom trabalho no combate ao cibercrime?
O Estado está muito atento. Trabalhamos muito de perto com o Centro Nacional de Cibersegurança. Mas há pouco falámos do que é que nós, pessoalmente, poderemos fazer. Dou um exemplo: houve uma hacker numa das últimas conferências internacionais que demonstrou como é que em 30 segundos conseguia, pelo telefone, ter os dados de passwords de empresas. A estratégia dela era tão simples: ter um PC com um vídeo de um bebé a chorar e ela ligava para as empresas e contava a história de que estava desempregada, era mãe solteira e tinha o bebé doente. Do lado de lá ouviam o bebé a chorar e em 30 segundos conseguia aceder às passwords de infraestruturas críticas das empresas, porque todos ficavam cheios de pena e queriam ajudar, mas não tinham noção do impacto de revelar esse tipo de informações.

Como lê os sinais da própria economia portuguesa? Estaremos a fazer o que pode ser feito para ter um crescimento mais sustentado?
Nunca fazemos tudo o que podemos, mas é com grande satisfação que olhamos para 2017 como um ano muito positivo, em que a economia acelerou, em que conseguimos colher mais frutos desta estratégia de inovação do país, quer em termos de trabalho com startups quer mesmo da própria imagem que o país tem a nível internacional. Isso tem-nos ajudado a conseguir captar investimento para Portugal, ajuda-nos a nós, Cisco, mas acredito que ajudará todas as empresas nos mais variados temas. Por outro lado sentimos que as empresas têm vontade de perceber mais sobre o processo de transformação digital e de como é que as grandes tecnológicas as podem ajudar neste processo e a perceber como é que podem investir nestas várias áreas.

Falando de atração de investimento, nomeadamente estrangeiro, como é o caso da Cisco, a decisão do governo de não baixar os impostos para as empresas, mas sim de aumentar a derrama por exemplo, faz sentido?
Temos de avaliar nos próximos meses qual vai ser o impacto. Para já, conseguimos captar esse investimento e conseguimos provar que Portugal tem este espírito inovador, tem um talento fantástico e está num crescimento económico bastante positivo.

Mas considera que outras multinacionais poderão não fazê-lo por uma questão de política fiscal decidida para o próximo ano?
Cada multinacional tem o seu processo de decisão. Nós temos muita autonomia para conseguir captar esse investimento. Portugal tem-se posicionado de forma muito positiva em termos de imagem e dos resultados desses projetos inovadores, e temos convencido também as equipas internacionais de que somos um país para apostar e um país com potencial futuro. Por enquanto, não temos impacto dessas políticas definidas, mas é uma questão a que teremos de estar atentos nos próximos meses.

Na sua opinião fará sentido voltar a mexer nas leis laborais, não só para atrair mais investimento mas para conseguir manter em Portugal os quadros que são os mais qualificados?
Temos estado a conseguir captar talento estrangeiro, mas há muito talento português que tem estado a ir para outros países. Muitas vezes temos aqui algumas limitações e o talento podia ser mais flexível, vamos tentando trabalhar com o que existe a nível nacional de momento e, para já, estamos a conseguir captar os portugueses que não queremos que fujam e a captar os estrangeiros que queremos reter.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro adjunto Pedro Siza Vieira. 
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Proposta que cria sociedades de investimento em imóveis avança até final do ano

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Despesa com juros da dívida ultrapassou 5 mil milhões de euros até julho

Apple devolve à Irlanda14 mil milhões em ajudas consideradas ilícitas

Outros conteúdos GMG
Sofia Tenreiro: “Estamos a captar os portugueses que não queremos que fujam”