“Banco das Universidades” recebe nota máxima

As mil bolsas, 53 parcerias com universidades e múltiplos prémios dão nota alta aos apoios universitários do Santander no balanço de 2017

– Descreve-se a si mesmo como “o banco das universidades” por prestar, a mais de meia centena de instituições do ensino superior em Portugal, apoios que afirma serem “únicos no panorama nacional”. Certo é que todos os anos o Banco Santander Totta despende seis milhões de euros no ensino superior. Entre bolsas, prémios e apoios variados por força dos protocolos firmados com universidades, milhares de estudantes, professores e investigadores – só bolsas, são mil por ano – prosseguem os seus interesses graças ao financiamento do Santander Totta, como o Dinheiro Vivo (em parceria com esta instituição) tem vindo a divulgar ao longo do ano que agora termina.

Nesta época de balanços, os números do Programa Santander Universidades saltam à vista: 53 protocolos com instituições do ensino superior deram origem, em 2017, a mil bolsas de estudo e investigação, dezenas de prémios, 220 bolsas de intercâmbio de estudantes e docentes e várias dezenas de estágios, assumindo aqui o Santander Totta o papel de “ponte de ligação entre as universidades e as empresas”, como como escreve em comunicado enviado ao Dinheiro Vivo. Números que, para os responsáveis do banco, merecem nota máxima no exame final do mecenato Santander.

Pelas suas contas, o banco investe anualmente cerca de 7 milhões de euros na área de responsabilidade social e corporativa, dos quais 6 milhões destina ao ensino superior “Entre 2015 e 2018, o total investido em mecenato irá atingir 25 milhões de euros e o número de bolsas a atribuir serão cerca de 3600”, lê-se no documento.

Na área da atribuição de bolsas, 2017 fica marcado pelo lançamento do programa de estágios StartUP Santander Jovem, desenvolvido em parceira com a Fundação da Juventude. O encontro, de três meses, entre startups e licenciados interessados em nelas estagiar é remunerado pelo Santander Totta a 550 euros por mês.

No campo dos Prémios Santander, este foi mais um ano de troféus como o Prémio Voluntariado Universitário (PVU), que voltou a somar 50 candidaturas. Em dois anos (2016 e 2017), houve já uma centena de projetos a concorrer ao total de 10 mil euros que estes galardões envolvem e que visam promover o voluntariado, enquanto exercício de cidadania ativa, com benefícios para a sociedade e para o desenvolvimento das competências pessoais dos estudantes universitários. Com os vencedores – projetos MOVE Açores, Herança Madeirense, Escola Inclusiva e UDream – a serem anunciados no dia 5 de dezembro, os PVU culminaram mais um ano de aliança com as universidades.

Destaque também para o Prémio Idea Puzzle: o Santander Universidades oferece anualmente dois troféus de 1.000 euros, um em Portugal e outro no estrangeiro, ao melhor desenho de investigação de Doutoramento criado com o software Idea Puzzle numa universidade. O prémio foi criado em 2012 e este ano foi a 6ª edição, sendo pela primeira vez atribuído na sua versão internacional.

Faz parte também já da tradição universitária o Prémio Universidade de Coimbra Santander Totta, um galardão conjunto do Santander Totta e da Universidade de Coimbra que é atribuído, anualmente, a um português cuja intervenção, nas áreas da cultura ou da ciência, tenha sido particularmente relevante e inovadora.

2017 foi também o ano da 10ª Edição do Prémio de Investigação Colaborativa Santander/Universidade NOVA de Lisboa, no valor de 25.000 euros. Este distingue projetos de investigação desenvolvidos por investigadores juniores da NOVA e que envolvam, pelo menos, duas das unidades orgânicas da Universidade.

Com o apoio do Santander, teve lugar este ano a European Innovation Academy (EIA), o maior programa universitário de aceleração em Inovação Digital da Europa (EIA), que se realizou pela primeira vez em Portugal. A Academia decorreu entre 16 de julho e 4 de agosto, mantendo o objetivo de criar startups tecnológicas líderes de mercado.

Em Portugal, a EIA estabeleceu uma parceria com o Banco Santander Totta, que será o parceiro exclusivo junto das instituições de ensino superior portuguesas e na área financeira. O programa contou com 400 participantes, de 63 nacionalidades, incluindo 50 oradores internacionais. Com a participação de aceleradoras de Silicon Valley, foi desenvolvido durante três semanas em Cascais com a colaboração com instituições de topo, como a UC Berkeley, a Stanford University e a Google.

"Fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para reforçar parcerias com universidades"

“A nossa posição de apoio incondicional às instituições do Ensino Superior mostra-se todos os anos cada vez mais atual. Nesse sentido, iremos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance, com novas iniciativas, para reforçar a nossa parceria com as universidades. Teremos com certeza novos projetos ligados ao empreendedorismo, ao apoio à sociedade civil e ao voluntariado universitário, numa política de responsabilidade social ativa. Estaremos ainda mais próximos das escolas e dos seus alunos. Em 2018 continuaremos seguramente neste caminho de apoio ao Ensino Superior português, contribuindo deste modo para o desenvolvimento de Portugal e potenciando as capacidades dos universitários.”

DOIS MOMENTOS ALTOS DE 2017

Campus Nova SBE

EIA no Estoril

 

 

 

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de