Gestão de frotas: inteligência artifical ao serviço de autarquias e empresas

Esta plataforma desenvolvida pela Gesfrota em parceria com a Altice permite ganhos em eficiência e sustentabilidade. A Câmara de Pombal e a Brisa, dois clientes, explicam como se otimizam percursos e se poupa combustível com esta tecnologia.

A plataforma de gestão de frotas desenvolvida pela Gesfrota em 2008 e depois em parceria com a Altice em 2016 já está a gerir 10.000 frotas do setor público, muitas delas de municípios, como adiantou o CEO da Gesfrota, João Santos. Sempre com o foco na eficiência e na sustentabilidade.

Um dos clientes é a autarquia de Pombal, que a adquiriu a 28 de janeiro de 2021 e agora a vê como indispensável. Otimizou as rotas e tornou a gestão de operações da frota municipal mais eficiente e segura. Mas, mais do que isso, acabou com um problema que havia do registo de viagens de cada viatura no ERP municipal (o sistema integrado de gestão municipal), como explicou Nuno Salvador, chefe de Divisão de Informática, Modernização e Sistemas Inteligentes da autarquia.

"Esta obrigação legal, advinda da imposição do cumprimento relativo às questões relacionadas com a Contabilidade de Custos, em que é necessário afetar as viagens realizadas a um centro de custo, eram realizadas de forma manual, através do registo num livro em papel. O processo era moroso e altamente improdutivo", refere o responsável.

A partir do momento em que a autarquia aderiu à plataforma foi uma viragem de 180 graus no caminho da simplificação. "A equipa responsável pela Gestão de Frotas do Município, em conjunto com a equipa responsável pelos Sistemas de Informação, desenvolveram e implementaram uma solução que permitiu transformar este processo para digital, através da integração da plataforma de Gestão de Frotas com o ERP. Este desenvolvimento permitiu que cada condutor, pudesse comodamente, através de uma página alojada na Intranet do município, registar os quilómetros realizados com um simples clique, escolhendo ao mesmo tempo o Centro de Custos associado àquelas viagens. Daqui resultou um aumento de produtividade da organização, e também a libertação de recursos para a realização de outras tarefas", acrescentou Nuno Salvador.

O chefe de Divisão de Informática, Modernização e Sistemas Inteligentes da autarquia qualifica o projeto de "diferenciador" porque "utiliza uma solução de gestão de mobilidade, para melhorar a eficiência organizacional, no caso, do município de Pombal".

A autarquia não quer ficar atrás de outras no caminho da descarbonização e está também a dar passos para eletrificar a sua frota. "A nossa frota é constituída por 120 viaturas, neste momento temos seis elétricos, estando previstos a aquisição de um autocarro elétrico para muito breve".

A propósito da mobilidade verde, o CEO da Gesfrota explica o contributo desta solução tecnológica para a descarbonização: "Através das funcionalidades de análise do tipo de utilização das viaturas, é possível sensibilizar para a aplicação de políticas de conduções mais económicas, como a redução de deslocações desnecessárias e tipo de condução mais eficientes. Recentemente lançamos a funcionalidade que permite aos nossos clientes analisar o impacto na atividade da substituição de viaturas de combustão térmica para viaturas elétricas".

Brisa notou "eficiência operacional"

Na Brisa, o mesmo sistema "tem sido usado para efetuar a identificação e otimização de rotas para as nossas patrulhas, que tem como consequência, a redução significativa dos quilómetros efetuados em auto-estrada, o que no fim do dia se traduz numa eficiência operacional muito grande, através de uma redução significativa de consumos de combustível", adiantou Luís Amaral Prazeres, da Direção Administrativa, responsável de Gestão de Frota da operadora de infraestruturas de transporte.

A empresa está também a acelerar o passo rumo à descarbonização. "Neste momento a Frota do Grupo Brisa tem cerca de 810 viaturas das quais 22% já estão eletrificadas ( 59 unidades são 100% elétricas e 112 são PHEV, e cerca de 5 MHEV", concluiu o responsável.

João Santos, da Gesfrota, resume o que significa, na prática, ter este instrumento ao uso de autarquias e empresas. "Através da inteligência artificial da ferramenta, são apresentadas aos gestores de planeamento novos circuitos mais curtos para a realização das suas rotas, com menor tempo de execução e mais económicos, tendo sempre em consideração os fatores externos como trânsito, acidentes". Ou seja, com este planeamento, "é possível o acompanhamento online das movimentações e permite ter alarmes de desvios, permitindo aumentar a segurança das pessoas e dos bens".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de