Habitat Vitae. Reabilitação atrai investimento

O investimento imobiliário valeu-lhe o primeiro lugar na categoria de crescimento para empresas de serviços.

A empresa diz que aplicou 100 milhões de euros nos últimos três anos.

Nasceu em 2004 pelas mãos de dois empresários nacionais - Filipe Soares Franco e Luís Corrêa de Barros - mas ganhou protagonismo apenas nos últimos anos, essencialmente, pelo projeto 8 Building - onde aplicou cerca de 40 milhões de euros -, e que transformou a antiga sede dos CTT em Lisboa (junto ao Mercado da Ribeira), num luxuoso condomínio.

Contactada pela Star Company, do Dinheiro Vivo, a empresa não respondeu às questões enviadas. No entanto, o sucesso na comercialização dos espaços comerciais e residenciais deste edifício ajudam a explicar, o crescimento de 4108,6% que apresentou no exercício fiscal de 2016, e que lhe entregou o primeiro lugar na categoria de crescimento para empresas de serviços, no âmbito das Star Company. Neste período, a empresa de investimento imobiliário apresentou um volume de negócios de 44,2 milhões de euros, um crescimento notável face ao ano anterior, altura em que reportou apenas um milhão de receitas. Publicamente, os dois administradores assumiram que este projeto despertou o interesse e a atenção de investidores internacionais, que acabaram por adquirir a quase totalidade dos espaços disponíveis. Em declarações à imprensa, aqueles responsáveis revelaram ainda que estes investidores seriam originários de todo o mundo, com destaque para a China, Vietname, Médio Oriente, África do Sul ou França.

O facto de este edifício ter sido recuperado pelo arquiteto Manuel Aires Mateus, parece ter atraído ainda mais os investidores. O administrador Luís Corrêa de Barros chegou a comentar na imprensa que os projetos assinados por arquitetos nacionais de renome tendem a chamar a atenção do mercado e geram interesse de aquisição mais rapidamente. E, referiu ainda, mesmo quando os investidores são estrangeiros, este é sempre um fator que pesa nas decisões.

100 milhões a médio prazo

Da mesma forma que assumem ter realizado investimentos na ordem dos 100 milhões de euros, os partners da Habitat Vitae, anunciaram, já este ano, dispor de quantia idêntica para aplicar a médio prazo em projetos de reabilitação urbana.

Para o desenvolvimento desta estratégia, a empresa associou-se à Patron Capital Partners, gestora de fundos de investimento imobiliários de origem inglesa, com a qual está já a trabalhar nos três projetos que tem em execução - Largo do Mastro e Duque de Loulé, em Lisboa, e Faculdade de Farmácia, no Porto.

O objetivo desta parceria passa por colocar Portugal 'no mapa' dos investimentos imobiliários internacionais, tirando partido do crescente interesse que o país já tem neste momento, tendo sido considerado, nos últimos dois anos, como o terceiro melhor local para para investir em imobiliário, depois da Espanha e dos Estados Unidos.

A Habitat Invest posiciona-se como uma “One Stop Shop”, na identificação, negociação, aquisição, reabilitação, venda e arrendamento turístico de projetos imobiliários, assim como na prestação de serviços de controlo financeiro, report para investidores e assessoria jurídica e fiscal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de