Dinheiro Vivo TV

Academia de Código. Um curso intensivo para mudar de vida

A carregar player...

Os cursos intensivos da Academia de Código, startup que dá formação em programação, vão chegar a Gaia.

João Claro trabalhava numa bomba de gasolina. Achava que era “um emprego sem futuro”, mas estava num dilema: para mudar de vida e encontrar um emprego melhor tinha de voltar a estudar e para isso tinha de deixar de trabalhar. Durante dois anos foi adiando os sonhos. Um dia, e até porque o bichinho já lá estava, sugeriram-lhe tentar a sua sorte e candidatar-se a um curso da Academia de Código. Assim fez. Dois anos depois trabalha numa empresa tecnológica holandesa no Fundão, a Fruition Partners.

Catarina Machado estava numa situação diferente. Com uma formação de base na área do marketing, decidiu mudar de vida quando já estava entusiasmada com o mundo da programação. “Tive conhecimento da Academia de Código porque no trabalho anterior tive um ligeiro contacto com programação e comecei a ganhar o gosto de querer saber mais. Comecei por ser autodidata. Na área do marketing é difícil arranjar emprego. Decidi enveredar por esta nova aventura.” Concluído o boot camp [curso intensivo], Catarina foi a várias entrevistas de emprego. “Quando estava em marketing, eu é que tinha de ir atrás e procurar [emprego]. O facto de na área de IT [informática] haver muita procura e muita necessidade de programadores”, e acabar por poder escolher onde quer trabalhar, foi uma surpresa. Escolheu a Novabase, uma tecnológica portuguesa.

A Academia de Código é uma startup portuguesa que dá formação na área de programação. O primeiro projeto-piloto aconteceu em 2015, para licenciados que estavam desempregados e com menos de 30 anos. Agora, as condições de acesso já são diferentes. “Hoje em dia temos os critérios totalmente abertos. O mais importante é realmente a motivação e estarem disponíveis para, durante 14 semanas, não terem vida, ou melhor, darem a vida, o corpo e a alma. Não estamos focados em se tem diploma ou não. Percebemos que o mais importante é ter as skills de que as empresas precisam”, conta João Magalhães, CEO da startup.

Há três anos havia 150 mil jovens licenciados desempregados e cerca de 15 mil postos de trabalho na área das tecnologias da informação por preencher. A Academia de Código ambicionava ajudar alguns desempregados a mudarem de vida e a colmatar esta falha de mercado. O objetivo ainda é semelhante: ajudar a mudar vidas mas no “ambiente que se vive hoje, de uma necessidade louca deste tipo de perfil”.

“Estamos a abrir candidaturas para a 21.ª edição. Já passaram mais de 350 pessoas pelos nossos boot camps. Já existem pessoas a trabalhar em mais de 50 empresas que desenvolvem tecnologia em Portugal e até ao final do ano devemos chegar às 500” pessoas que fazem estes cursos intensivos, aponta.

O primeiro projeto-piloto realizou-se em Lisboa, três anos depois a Academia de Código tem já boot camps no Fundão, na ilha Terceira e prepara-se para lançar estes cursos numa nova cidade: Vila Nova de Gaia. O primeiro arranca em setembro, com 20 vagas. “Tínhamos muitos pedidos da região norte. Andávamos há algum tempo a programar isto. Primeiro, foi os Açores e, nos nossos objetivos, logo a seguir, estava abrirmos no norte. Algumas empresas que já contratam os nossos alunos, e que também têm escritórios em Gaia, pediam para irmos para lá. Com estas quatro localizações, temos oferta para quase todas as pessoas”, justifica.

Com a chegada a Portugal de várias empresas estrangeiras na área tecnológica – em busca de mão-de-obra qualificada na área informática -, as companhias portuguesas têm concorrência direta na captação de talentos.

Para ultrapassar esta questão, a Novabase tem uma parceria, que abre a porta a uma entrada para a empresa após o curso. “O talento é escasso. A formação académica mais formal nestas áreas é excelente e Portugal caracteriza-se por isso mas, nos dias de hoje, não chega. Temos a noção clara de que há talento que continua por identificar. Foi isso que quisemos fazer, acima de tudo: alargar a nossa base de recrutamento”, diz Vera Leitão, da Novabase.

“Primeiro tivemos uma postura mais passiva: conhecemos a Academia de Código e alguns dos alunos que fomos contratando. Avançámos mais recentemente para uma parceria. Apostamos à entrada nestas pessoas, oferecendo bolsas de formação e uma promessa, por assim dizer, de contrato de trabalho na Novabase, se concluírem esta formação com sucesso.”

A Academia de Código não esconde que a internacionalização do negócio está nos plano da empresa. Ainda assim, não pretende para já levantar uma ronda de financiamento, como fizeram – com sucesso – outras startups portuguesas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
REUTERS/Pedro Nunes/File Photo

Programa de arrendamento acessível arranca a 1 de julho. Tudo o que deve saber

Fotografia: Pedro Rocha/Global Imagens

Governo questiona RTP sobre não transmissão de Jogos de Minsk

DHL Express Store2

DHL Express vai investir até 600 mil euros em rede de lojas pelo país

Outros conteúdos GMG
Academia de Código. Um curso intensivo para mudar de vida