startups

Aceleradora norueguesa procura startups do mar em Portugal

oceano-atlantico

Novo programa de aceleração vai levar startups à Noruega durante três meses e fazer investimentos de 130 mil euros em cada equipa

Nem tudo o que vem do mar da Noruega é salmão ou bacalhau. Até 31 de outubro, a aceleradora Katapult Ocean vai andar à pesca de startups com negócios escaláveis e cuja tecnologia tenha impacto positivo nos oceanos. Portugal é um dos mercados-alvos onde a nova aceleradora acredita que pode ir buscar boas ideias para um programa com acesso a investimento de cerca de 130 mil euros.

“Estamos a analisar o mercado global à procura de startups com tecnologia positiva para os oceanos”, revelou ao Dinheiro Vivo Maren Hjorth, CEO da Katapult Ocean. “Sabemos que há muita coisa a acontecer neste espaço em Portugal e que o oceano está nos vossos corações da mesma forma que na Noruega”, explicou. “Vimos que existem muitas startups e tecnologias excitantes a virem de Portugal nesta área.” De acordo com a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, a economia do mar representa 3,6% do emprego nacional.

Com sede em Oslo, capital do país escandinavo, a Katapult terá o primeiro programa de aceleração em janeiro de 2019, com 12 startups selecionadas. A duração é de três meses e inclui mentoria de 150 especialistas, entre empreendedores, empresários e investidores, com o objetivo de “evitar as armadilhas das startups em fase inicial.”

Haverá uma insistência no teste de produtos e na conquista do primeiro cliente, pelo que parte do programa será dar acesso a um conjunto de clientes para projetos-piloto e ambientes de teste, em parceria com instituições de pesquisa e parceiros tecnológicos. São os casos da Veracity by DNV GL, a Klaveness Digital e a CoreMarine. A Katapult também assinou um acordo de parceria com a nHack, um fundo de investimento escandinavo na China dedicado a esta área de inovação. O programa termina com um “demo day” e um investimento de 150 mil dólares em cada startup.

De acordo com Maren Hjorth, a ideia é encontrar equipas que usam tecnologia para resolver um desafio ou aproveitar uma nova oportunidade. As áreas de atividade são abrangentes, cobrindo desde transportes marítimos à pesca, aquacultura, energia e saúde dos oceanos. “O principal critério de seleção para o programa é um forte produto e modelo de negócio com impacto positivo nos nossos oceanos”, refere a responsável. “Estamos à procura de soluções com potencial para escalar globalmente, desenvolvidas por uma forte equipa de fundadores.”

O processo de seleção será “rigoroso”, adianta, com busca por startups em vários estágios de desenvolvimento. Entre os critérios necessários estão a existência de um protótipo funcional, um foco virado para impacto real, uma boa equipa, algumas receitas ou um cliente com projeto-piloto e um modelo de negócio credível. “Também estamos à procura de produtos ou serviços que possam escalar rapidamente”, sublinha Maren.

A responsável norueguesa conta que sempre quis trabalhar em algo com um desígnio mais nobre que apenas negócios, apesar de a Katapult Ocean estar muito focada em transformar as ideias em receitas e criar mercado. “Acreditamos que há oportunidades infinitas nos oceanos e que o oceano vai ter um papel vital no desenvolvimento de um futuro sustentável para todos nós, se fizermos as coisas certas”, declara.

Ela própria trabalhou no sector marítimo e acredita que o tradicionalismo e conservadorismo do negócio estão prestes a mudar, graças à inovação que virá de fora, das startups. Diz que o grande objetivo da Katapult é ajudar os empreendedores “a acelerarem ideias e salvarem os oceanos” em simultâneo. Chama-lhe “investimento de impacto”, no sentido em que o financiamento estará direcionado à resolução de problemas ambientais e sociais ao mesmo tempo que constrói bons negócios. Uma espécie de investimento sustentável.

“Há hoje tantos desafios nos oceanos”, reconhece, “mas agora temos tecnologia para os resolver e, além disso, para encontrar novas grandes oportunidades.”

O prazo para as startups que queiram candidatar-se a um lugar na Katapult Ocean termina a 31 de outubro. Mais informações e candidaturas estão disponíveis neste link.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Rua de Santa Catarina, no Porto. (Pedro Correia/Global Imagens)

“Selo do carro”: Governo aplica desconto para travar forte subida de preços

JOÃO RELVAS/LUSA

Costa explica amanhã orçamento aos deputados do PS

Outros conteúdos GMG
Aceleradora norueguesa procura startups do mar em Portugal